A trombose venosa profunda como reação adversa do uso contínuo de anticoncepcionais orais

Ismael Carlos de Araújo de Sousa, Alice da Cunha Morales Álvares

Resumo


O objetivo dessa pesquisa foi relacionar as alterações no sistema hemostático com o uso contínuo dos anticoncepcionais orais e a ocorrência da trombose venosa profunda. Hemostasia é um processo fisiológico que tem como finalidade manter o sangue fluindo dentro dos vasos sanguíneos, assim evitando a formação de coágulos. Trombose venosa profunda é uma doença grave, caracterizada pela formação de coágulos em veias profundas, destacam-se os fatores de risco: hereditários, adquiridos e associação provável. Foi realizado um levantamento bibliográfico nas bases e banco de dados. Para a obtenção dos resultados foram analisados 11 artigos. Esses estudos demostram que estrogênio e progestagenios desencadeiam alterações significantes no sistema hemostático por sua ação androgênica, resultando na formação de fibrina, podendo acontecer à formação de coágulos nas veias. Devido os AOs ser o método mais utilizado no mundo, torna-se se suma importância o conhecimento das reações adversas consideradas graves, como a TVP.

 


Palavras-chave


Uso Continuo; Anticoncepcionais Orais; Trombose Venosa Profunda.

Referências


- Veiga AGM, Santos IAT, Passari CR, Papino SJ. Tromboembolismo venoso. Moreira Junior editora. 2013; 70 (10): 335-41.

-Brunner; Suddarth. Tratado de enfermagem médico-cirúrgico. 12° ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009.

- Ministério da Saúde. Saiba como evitar a trombose. Brasília, 2016. Disponível em:< http: www.brasil.gov.br/saude/2016/09/saiba-como-evitar-a-trombose>. Acesso em: 14 abr 2017.

-Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular. Trombose. São Paulo, 2016. Disponível em: < http:www.abhh.org.br/educacao/fique-por-dentro-educacao/hematologia-de-a-a-z/faq >. Acesso em: 12 abr 2017.

-Oliveira HC, Lemgruber I. Tratado de ginecologia da FEBRASGO. 1° ed. Rio de Janeiro: Revinter; 2000.

-Margolis KL, Adami HO, Luo J, Ye W. Um estudo prospectivo de contraceptivo oral e o risco de infarto do miocárdio entre as mulheres Suecas. Fertility Sterility. 2007; (88): 310-16.

- Paz ECM, Ditterich RG. O conhecimento das mulheres sobre os métodos contraceptivos no planejamento familiar. Revista Gestão & Saúde. 2009; 1 (1) :1- 10.

- Finotti M. Manual de anticoncepção. São Paulo: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FRBRASGO), 2015.

- VIKTOR M. Pílula causa trombose? Revista Online Viva Saúde. 2008. Disponível em: < http://revistavivasaude.uol.com.br/Edicoes/50/artigo54700-2.asp >. Acesso em: 19 maio 2017.

- Brasil. Ministério da Saúde. ANVISA. Anticoncepcionais. Brasília. 2017. Disponível em: < http: http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-busca? >. Acesso em: 10 abr 2017.

- Rezende SN. Distúrbios da hemostasia: doenças hemorrágicas. Revista Médica de Medicina. 2010; 20 (4): 534-53.

- Guyton AC, Hall JE. Fisiologia Humana e Mecanismo das Doenças. 6° ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 1998.

- Mesquita RSSC. Revisão sobre a relação do uso de estrogênios e progestágeno e a ocorrência de trombose. [monografia]- Brasília: Universidade Católica de Brasília; 2014

-. Vivas WLP. Manual pratico de hematologia. 1° ed. 2010; (1) : 1-33. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2017.

- Girello AL, kiihn TIBB. Fundamentos da imuno - hematologia eritrocitraria. 4° ed. São Paulo: Senac; 2016.

- White RH. The epidemiology of venous thromboembolism. Circulation. 2003; 107(23): 14-8.

- Seligsohn V, Lubetsky A. Genetic suscebility to venous thrombosis. N Engl J Med. 2001; 344 (16): 1222-31.

- Barros MVL, Pereira VSR, Pinto DM. Controvérsias no diagnóstico e tratamento da trombose venosa profunda pela ecografia vascular. Jornal Vascular Brasileiro. 2012; 11(2): 137-43.

- Vasconcelo AC. Alterações circulatórias: trombose. Patologia em hipertexto, Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais;2003. Disponível em . Acesso em: 15 maio 2017.

- Neto RAB. Trombose venosa profunda. Medicina net: Universidade de são Paulo – Hospital das clinicas da Faculdade de medicina. 2013. Disponível em: < http.www.medicinanetcom .br/conteúdos/casos/5369/trombose_venosa_profunda.htm >. Acesso em: 10 maio 2017.

- Junior FM. Trombose venosa profunda: diagnóstico e tratamento. Projeto Diretrizes SBACV. Salvador: SBACV; 2015. Disponível em: < http://www.sbacv.org.br/lib/media/pdf/diretrizes/trombose-venosa-profunda.pdf>. Acesso em: 15 maio 2017.

- Yoshida WB. Tratamento convencional da trombose venosa profunda proximal: ainda uma boa opção? Jornal vascular Brasileiro. 2016; 15 (1): 1-3.

- Rizzatti EG, Franco RF. Tratamento do tromboembolismo venoso. Simpósio: hematologia e trombose. 2001; (34): 269-75.

- Penha GS, Damiano AP, Carvalho T, Lain V, Serafin JD. Mobilização precoce na fase aguda da trombose venosa profunda de membros inferiores. Jornal Vascular Brasileiro. 2009; 8(1): 77-85.

- Figueiredo MA. A terapia da compressão e sua evidencia cientifica. Jornal vascular Brasileiro. 2009; 8 (2): 100-2.

- Bahamontes L, Pinho F, Melo NR, Oliveira E, Bahamondes MV. Fatores associados à descontinuação do uso de anticoncepcionais orais combinados. Rev. bras. med. ginecol. obstet. 2011; 33 (6): 303-9.

- Poli MEH, Mello CR, Machado RB, Neto JSP, Spinola PG, Tomas G, et al. Manual de anticoncepção FREBASGO. Femina. 2009; 37 (9): 459-92.

- Corrêa EMC, Andrade ED, Ranali J. Efeitos dos antimicrobianos sobre a eficácia dos contraceptivos orais. Rev. odontol. univ. SP. 1998; 12 (3): 237- 40.

- Arie WMY, Fonseca AM, Arie PY, Arie MHA, Bagnoli VR. Saúde da mulher: anticoncepção. Moreira Júnior Editora. 2006; 64 (3): 95-100.

- Martins CT, Prado JJS, Couqueiro MB, Silva PAC, Caitano RD, Machado TLC, et al. Riscos secundários à utilização de anticoncepcionais por via oral na unidade básica de saúde deputado Gercino coelho no munícipio de Guanambi no ano de 2012. Rev. cient. facu. Guanambi.

; 1 (2): 1-17.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Politica de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Assistência em Planejamento Familiar: Manual técnico. 4°. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

- Coimbra BV, Pedroso CAS. Anticoncepção hormonal – revisão sistemática da literatura. Rev. cient. sem. acad. 2017; 106 (1): 1-10.

- Lobo RA, Romão F. Hormônios sexuais femininos e trombose venosa profunda. Angiologia e Cirurgia Vascular. 2011; 7 (4): 208 – 14.

- Brito MB, Nobre F, Vieira CS. Contracepção hormonal e sistema cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2011; 96 (4): 81 – 8.

– Stegeman BH, Raps M, Helmerhorst FM. Vos HL, Van Vliet HAAM, Rosendaal FR et al. Effect of ethinyestradiol dose end progestagen in combinet oral contraceptives on plasma sex hormone – binding globulin levels in premenopausal homen, Journal Thromb Haemost. 2013; 11: 203 – 5.

– Podovan FE, Freitas G. Anticoncepcional oral associado ao risco de trombose venosa profunda. 2015; 9 (1): 73 – 7.

– Conard J. Biological coagulation findings in third – generation oral contraceptives. Hum Repred Uptode. 1999; 5 (6): 672 – 80.

– Vieira CS, Oliveira LCO, Sá MFS. Hormônios femininos e hemostasia. Rev. bras. ginecol. e obstet. 2007; 29 (10); 538 – 47.

– Simão JL, nadari LC, Gracon PP, Lopes MAM. Uso de contraceptivos orais induzindo trombose mesentérica. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. 2008; 30 (1): 75 – 7.

– Junge W, Mahn BH, Trummer D, Nerz M. Investigatioxn on the hemostatic effect of a transdermal patch containing 0,55 mg ethinyl estradiol and 2, 1 mg gestodeno compared with a monophasic oral contraceptive containing 0,03 mg ethinyl estradiol and 0,15 mg levonegestrel: an apen – label, randomized, crossover study. Drugs RD. 2013; 13: 223 – 33.

– Agren UM, Anttela M, Liukku RM, Rantala ML, Rautiainen H, Sammer WF et al. effect of a monophasic combined oral contraceptive containing nomegestrol acetate anda 17 β – estradiol compared with one containing levonogestrel and ethinylestradiol on haemostasis, lipids and carbohydrate metabolism. The European Journal of Contraception and Reproductive Health Care. 2011; 16: 444 – 57.

– Giribela CRC, Rubina MC, Melo NR, Plentz RDM, Angelis K, Cansolin – Colombo FM. Effect of a low – dose oral contraceptive on venous endothelial function in healthy young womem: preliminary results. Clinics. 2007; 62 (2): 151 – 8.

– Roach REJ, Lifrfring WM, Vlieg AVA, Rosendaal FR, Cannegieter SC. The risk of venous thrombosis in individual with a history of superficial vein thrombosis oral acquired venous thrombotic risk factores. Blood. 2013; 122 (26): 4264 – 69.

– Roach REJ, Lifrfring WM, Helmershorst FM, Cannegieter SC, Rosendaal FR, Vlieg AVA. The risk of venous thrombosis in women over 50 years old using oral contraception orf postmenpousal hormone therapy. Journal of Thrombosis and Haemostases. 2013; 11: 124 – 31.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017)/ JCR 1.021 (2018)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 9,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X