Evolução histórica do conceito de estresse

Rodrigo Marques da Silva, Carolina Tonini Goulart, Laura de Azevedo Guido

Resumo


Analisou-se a evolução conceitual do estresse segundo os modelos Biologicista e Interacionista e as principais pesquisas brasileiras desenvolvidas com base nesses modelos. Trata-se de uma revisão narrativa realizada no Pubmed, Banco de Teses e Dissertações e Portal de Periódicos da CAPES. Utilizaram-se as palavras estresse e enfermagem em cada uma das bases. Após aplicação dos critérios de exclusão/inclusão, selecionaram-se 22 produções científicas. Enquanto fenômeno humano, o estresse foi inicialmente analisado sob o prisma biológico, sendo denominado Síndrome de Adaptação Geral. Posteriormente, consideraram-se os aspectos cognitivos no processo de estresse. Evidenciaram-se pesquisas descritivas realizadas entre enfermeiros e estudantes de enfermagem, havendo predomínio de médio e baixo estresse. A evolução conceitual de estresse associada às pesquisas conduzidas entre profissionais e estudantes tem favorecido a construção conhecimento na área do estresse. Todavia, pesquisas analíticas e experimentais ainda são necessárias.

 


Palavras-chave


Enfermagem; Estresse psicológico; Estresse Fisiológico; Revisão.

Referências


Bianchi ERF. Conceito de stress: evolução histórica. Nursing (São Paulo). 2001; 4 (39):16-9.

Santos BS. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez; 2006.

Masci CB. Stress no trabalho: um desafio a medicina moderna. Rev bras clín ter. 1988; 17(3): 89-94.

Guido LA. Stress e coping entre enfermeiros de Centro Cirúrgico e Recuperação Anestésica [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem; 2003.199 p.

Monat A, Lazarus RS, Gretchen R. The praeger handbook on stress and coping. Westport: Praeger; 2007.

Selye H. Stress: a tensão da vida. São Paulo: IBRASA; 1959.

Talarico JNS. Estresse, concentrações de cortisol e estratégias de coping no desempenho da memória de idosos saudáveis, com comprometimento cognitivo leve e doença de Alzheimer. São Paulo.

Tese[Doutorado em Enfermagem]- Universidade de São Paulo; 2009.

Ornellas TCF, Monteiro MI. Aspectos históricos, culturais e sociais do trabalho. Rev bras enferm.[internet] 2006 [acesso em 2013 Nov 19]; 59(4):552-5. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v59n4/a15v59n4.pdf

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática de enfermagem. 7a ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2011.

Lazarus RS, Folkman S. Stress, Appraisal, and Coping. New York: Springer Publishing Company; 1984.

Menzani G. Stress entre enfermeiros brasileiros que atuam em pronto socorro. São Paulo. Dissertação [Mestrado em Enfermagem]- Universidade de São Paulo; 2006.

Ballone GJ, Moura EC. Estresse - Fisiologia. Psiq Web. [internet] 2010 [acesso em 2012 Jun 5]; (1):[5 telas]. Disponível em: http://www.psiqweb.med.br/site/?area=NO/LerNoticia&idNoticia=23

Linch GFC. Estresse de Enfermeiros em Unidade de Hemodinâmica. Santa Maria; Dissertação [Mestrado em Enfermagem]- Universidade Federal de Santa Maria; 2010.

Smeltzer SC, Bare BG. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009.

Holmes TH, Rahe RH. The social readjustment rating scale. J Psychosom Res.[internet] 1967 [acesso em 2012 Nov 19];11(2):213-8. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0022399967900104

Lazarus RS, Launier S. Stress related transaction between person and environment. In: Dervin LA, Lewis M. Perspectives in international psychology. New York: Plenum; 1978. p.287-327.

Bianchi ERF. Estresse em enfermagem: análise da atuação do enfermeiro de centro cirúrgico. São Paulo. Tese [Doutorado em Enfermagem]- Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem; 1990.

Monat A, Lazarus RS. Stress and coping: an anthology. New York: Columbia University Press; 1991.

Vasconcelos EG. O modelo psiconeuroendocrinológico de stress. In: Sergel L. Psicologia e odontologia: uma abordagem integradora. 2ª ed. São Paulo: Santos; 1992. p. 25-47.

Martins LMM, Bronzatti JAG, Vieira CSCA, Parra SHB, Silva YB. Agentes estressores no trabalho e sugestões para amenizá-los: Opiniões de enfermeiros de pós-graduação. Rev Esc Enferm USP.[internet] 2000[ acesso em 2012 Dez 12]; 34(1): 52-8. Disponível em: http://www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/497.pdf

Umann J. Estresse, coping e presenteísmo em enfermeiros hospitalares [dissertação]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2011. 132 p.

Guido LA, Silva RM, Goulart CT, Kleinübing RE, Umann J. Stress and coping among surgical unit nurses of a teaching hospital. Rev RENE. [internet] 2012 [acesso em 2012 nov 15]; 13(2):428-36. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/226/pdf

Molina OF. Estresse no cotidiano. São Paulo: Pancast; 1996.

Nogueira-Martins LA. Residência Médica: estresse e crescimento. Psychiatry on-line Brazil. [internet] 1998 [acesso em 2012 Nov 13]; 3(10): [8 telas]. Disponível em: http://www.polbr.med.br/ano98/resid2.php

Kleinubing RE, Goulart CT, Silva RM, Umann J, Guido LA. Estresse e coping em enfermeiros de terapia intensiva adulto e cardiológica. Rev Enferm UFSM. [internet] 2013 Mai/Ago [acesso em 2013 Abr 5];3(2):335-44. Disponível em: http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/reufsm/article/view/8924/pdf

Guido LA, Goulart CT, Silva RM, Lopes LFD, Ferreira EM. Stress and Burnout among multidisciplinary residents. Rev latinoam enferm.[internet] 2012 [acesso em 2012 Nov 16]; 20(6): 1064-71. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n6/pt_08.pdf


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017-2018)

JCR 1.021 (2018-2019)

JCR 1.254 (2019-2020)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 15,0

Índice i10: 31,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X