A importância dos grupos de convivência para os idosos como instrumento para manutenção da saúde

Lilia Lopes Schoffen, Walquíria Lene dos Santos

Resumo


O objetivo deste estudo foi conhecer a importância dos grupos de convivência para idosos. Especificamente, objetivou-se conhecer as razões que levam o idoso a participar dos grupos de convivência; conhecer as atividades proporcionadas pelos grupos de convivência de idosos. Conhecer o grau de satisfação com a saúde relatada pelos idosos participantes dos grupos de convivência. O estudo sob relato é uma pesquisa exploratória, descritiva, com abordagem quanti qualitativa. A população em estudo foi composta por um grupo de 15 pessoas com 60 anos ou mais que frequentam serviços ligados a uma faculdade privada do estado de Goiás e grupos de convivência onde a faculdade tem inserção. Os depoimentos revelaram a necessidade dos idosos se manterem inseridos socialmente, pois envelhecer de maneira saudável é não ter apenas uma boa saúde, mas são vários fatores que contribuem para se sentirem ativos. Os grupos podem funcionar como rede de apoio que mobiliza as pessoas na busca de autonomia, na melhora da autoestima, na resiliência e diminuindo a vulnerabilidade

 


Palavras-chave


Enfermagem; Idoso; Envelhecimento.

Referências


Nogueira ALG, Munari DB, Santos LF, Oliveira LMAC, Fortuna CM. Therapeutic factors in a group of health promotion for the elderly. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(6): 1352-8.

Silva JRG, Galdino MNAS, Bezerra ALD, Sousa MNA. Direito à saúde: revisão integrativa da literatura sobre o acesso de idosos aos serviços de saúde. Rev Eletr Fainor. 2013; 5(1): 25-42.

Schimidt TCG, Silva MJP. Percepção e compreensão de profissionais e graduandos de saúde sobre o idoso e o envelhecimento humano. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(3):612-7

Leite MT, Winck MT, Hildebrandt LM, Kirchner RM, Silva LAA. Qualidade de vida e nível cognitivo de pessoas idosas participantes de grupos de convivência. Rev Geriat gerontol. 2012; 15(3): 481-92.

Gonçalves KDS, Bielemann MC, Machado VL. Grupos Com Idosos: Estratégia Para (Re) Orientar o cuidado em Saúde. Rev Conexão UEPG. 2013;9(2):218-225.

Benedetti TRB, Mazo GZ, Borges LJ. Condições de saúde e nível de atividade física em idosos participantes e não participantes de grupos de convivência de Florianópolis. Ciênc. Saúde Colet. 2012; 17(8): 2087-93.

Wichmann FMA, Couto N.A, Areosa SVC, Montañés MCM. Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2013; 16(4):821-32.

Beard JR, Biggs S, Bloom DE, Fried LP, Hogan P, Kalache A, et al. Global population ageing: peril orpromise. Relatório mundial de envelhecimento e saúde. Geneva: Organização Mundial da Saúde; 2015.

Combinato DS, Vecchia M D, Lopes EG, Manoel RA, Marino HD. Oliveira ACS, Silva KF. “Grupos de conversa”: saúde

da pessoa idosa na estratégia saúde da família. Psicol Soc. 2010; 22 (3): 558-68.

Nobre JCA, Oliveira IRS, Oliveira TBMAA, Souza LR, Silva RR. O envelhecimento na atualidade: uma controvertida produção coletiva. Cad UniFOA. 2017; 12(33): 69-86.

Santos NF, Silva MRF. As Políticas públicas voltadas para o idoso: melhoria da qualidade de vida ou reprivatização da velhice. Rev FSA. 2013; 10(2):358-71.

Ferreira MRRP, Nogueira SM. UEG Campus Ceres - GO (Saúde) Alterações fisiológicas do envelhecimento e queda em idosos: Revisão sistemática - II Simpósio de pesquisa e extensão de Ceres e Vale de São Patrício, 04 a 07 de Novembro de 2014.

Costa SM, Ramos MTO, Santana KA, Mandai SSR. Envelhecer e qualidade de vida: uma revisão bibliográfica. E-RAC. 2013; 3(1): 143-95.

World Health Organization. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2005.

Benedetti TRB, Mazo GZ, Borges LJ. Condições de saúde e nível de atividade física em idosos participantes e não participantes de grupos de convivência de Florianópolis. Ciênc. Saúde Colet. 2012; 17(8): 2087-93.

Silva HS, Gutierrez BA. Dimensões da Qualidade de vida de Idosos, Moradores de rua de São Paulo. Rev Saúde Soc. 2013; 1:148-59.

Alcântara AO, Camarano AA, Giacomin KC. Política nacional do idoso: velhas e novas questões. Rio de Janeiro: Ipea; 2016.

OMS. Envelhecimento Ativo: uma política de saúde; 2005. Disponível em: . Acesso em: 04 agost 2017.

Gonzalez, L.M.B., Seidl, E.M.F. Envelhecimento ativo e apoio social entre homens participantes de um Centro de Convivência para Idosos. Rev Kairós Gerontol. 2014; 17(4):119-39.

Stotz EM, David HMSL. Educação popular e saúde. In: Soares CB, Campos CMS. Fundamentos de saúde coletiva e o cuidado de enfermagem. São Paulo: Manole; 2013.p.75-103.

Andrade NA, Nascimento MMP, Oliveira MMD, Queiroga RM, Fonseca FLA, Lacerda SNB, Adami F. Percepção de idosos sobre grupo de convivência: estudo na cidade de Cajazeiras - PB. Rev bras geriatr gerontol; 2014; 17(1):39-48.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 02 ago 2017.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017)/ JCR 1.021 (2018)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 9,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X