Estresse em docentes universitários da área de saúde de uma faculdade privada do entorno do Distrito Federal

Sthefani Cardoso de Andrade Sá, Rodrigo Marques da Silva, Cristilene Akiko Kimura, Graziela Queiroz Pinheiro, Laura de Azevedo Guido, Iel Marciano Moraes Filho

Resumo


O objetivo do presente artigo e descrever o nível de estresse em docentes universitários da área de saúde de uma faculdade privada do entorno do Distrito Federal. Trata-se de um estudo transversal, analítico e quantitativo, realizado entre agosto e dezembro de 2017. Os dados foram coletados por meio dos seguintes instrumentos auto-aplicáveis: Questionário para descrever o perfil sócio demográfico e profissional dos docentes e Escala de Estresse no Trabalho (EET). O nível de estresse nos docentes universitários da área de saúde foi baixo em 67% de acordo com os dados coletados. As situações avaliadas como mais estressantes são: a falta de autonomia na execução do trabalho, a deficiência na divulgação de informações sobre decisões organizacionais, falta de informações sobre as tarefas no trabalho, tipo de controle existente no trabalho e o tempo insuficiente para realizar o volume de trabalho. Embora a docência seja considerada estressante, os docentes parecem lidar bem com as situações do ambiente de trabalho a partir de enfrentamentos efetivos aos estressores.

 


Palavras-chave


Estresse; Saúde; Docente universitário.

Referências


-Martins LMM, Bronzatti JAG, Vieira CSCA, Parra SHB, Silva YB da. Agentes estressores no trabalho e sugestões para amenizá-los: opiniões de enfermeiros de pós-graduação. Rev Esc Enf USP 2000; 34(1): 52-8.

-Figueiras JC, Hippert MIS. A polêmica em torno do conceito de estresse. Psicol ciênc prof 1999; 19 (3): 40-51.

-Bianchi ERF. Escala Bianchi de stress. Rev Esc Enferm USP 2009; 43(Esp):1055-6.

-Costa JRA, Lima JV, Almeida PC. Stress no trabalho do enfermeiro. Rev Esc Enferm USP 2003; 37(3): 63-7.

- T. Paschoal, A. Tamayo. Validação da escala de estresse no trabalho. Estud psicol. (Natal) 2004; 9(1): 45-52.

-Miranda LCS, Pereira CA, Passos JP. O Estresse nos docentes de enfermagem de uma universidade pública. Rev de Pesq: cuidado é fundamental. 2009; 1(2): 335-44.

-Sadir MA, Bignotto MM, Lipp MEN. Stress e qualidade de vida: influência de algumas variáveis pessoais. Paideia 2010; 20 (45): 73-81.

-Amorin C, Júnior OM, Guimarães S. O stress do professor. Psicol Argum 2007; 25(48): 103-7.

-Guerrer FJL, Bianchi ERF. Caracterização do estresse nos enfermeiros de unidades de terapia intensiva. Rev Esc Enferm USP 2008; 42(2):355-62.

-T. Paschoal, A. Tamayo. Validação da escala de estresse no trabalho. Estud Psicol (Natal) 2004; 9(1): 45-52.

-Pereira SMA. A síndrome de burnout- o estresse em docentes das instituições de ensino superior privada de porto velho [dissertação]. Brasília. Universidade de Brasília UNB; 2008.

-Costa CE, Bachion MM, Godoy FL de, Abreu LO de. Percepção sobre o estresse entre professores universitários. Rev RENE 2005 set-dez; 6(3): 39-47.

-Costa JRA, Lima JV, Almeida PC. Stress no trabalho do enfermeiro. Rev Esc Enferm USP. 2003; 37(3): 63-7.

-Freitas GR de. Estresse, Ansiedade e Qualidade de Vida em Professores: Efeitos do Relaxamento Progressivo [dissertação]. Bauru. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Ciências UNESP; 2015.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017)/ JCR 1.021 (2018)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 9,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X