Perfil epidemiológico e clínico de pacientes adultos jovens admitidos na sala amarela do centro de trauma do hospital de base do Distrito Federal

Ailane Milard Moreira de Souza, Iel Marciano de Moraes Filho, Jessica de Arêa Leão Silva, Mariane Conceição Paixão, Acza Araújo Soreas de Alcântra, Sandra de Nazaré Costa Monteiro

Resumo


O objetivo deste estudo foi conhecer o perfil epidemiológico e clínico do adulto jovem admitido na Sala Amarela do Centro de Trauma do Hospital de Base do Distrito Federal - HBDF. Trata-se de um estudo descritivo, transversal, prospectivo com abordagem quantitativa, realizado na Sala Amarela do Centro de Trauma do Hospital de Base do Distrito Federal (SA-CT-HBDF), no período de março a agosto de 2016. Os resultados foram apresentados por meio de frequências simples e porcentagem realizadas com tabelas. Constatou-se prevalência de traumas em pacientes do sexo masculino, com 69,59%, predominância de atendimentos à faixa etária de 20 a 24 anos, maior demanda do serviço no período vespertino, com 35,33%, com predominância de acidentes em via pública, com 74,50% dos casos. O estudo possibilita aos profissionais da enfermagem conhecer melhor o perfil de pacientes que são atendidos constantemente nas unidades de atendimento a urgências.


Palavras-chave


Adulto Jovem; Centros de Traumatologia; Ferimentos e lesões; Causas externas; Traumatismo múltiplo.

Referências


Brasil, Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990; Brasília.

OMS, Rede Interagencial de Informações para Saúde. Informe de situação e tendências: demografia e saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2009.

Chiara O, Cimbanassi S. Protocolo para atendimento intra-hospitalar do trauma grave. Composição e acionamento da equipe de trauma. Rio de Janeiro: Elsevier; 2009. p.1-10.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Saúde Brasil 2012: uma análise da situação de saúde e dos 40 anos de Programa Nacional de Imunizações. Como morrem os brasileiros: ranking e tendências das taxas de mortalidade por grupos de causas no Brasil e regiões – [pg. 95-165].Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 354, de 10 março de 2014. Diário Oficial da União. Brasília; 2014.

Brasil, Ministério da Saúde. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. Textos Básicos da Saúde. Brasília; Série B, 1ªed. 2009.

Hulley SB, Cummings SR, Browner WS, Grady DG, Newman TB. Delineando a pesquisa clínica. 4º ed. Artmed. Porto Alegre; 2015. p. 90-92.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria Nº- 1.600, de 7 de julho de 2011. Diário Oficial da União. Brasília; 2011.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. acesso em: ago 2016. Indicadores de Saúde. Procedimentos hospitalares do SUS - Distrito Federal.

Lima RS, Campos MLP. Perfil do idoso vítima de trauma atendido em uma Unidade de Urgência e Emergência. Rev. esc. enferm. USP. 2011; 45(3): 659-64. Disponível em: .

Carvalho ICCM, Saraiva IS. Perfil das vítimas de trauma atendidas pelo serviço de atendimento móvel de urgência. Rev. Interdisciplinar. 2015; 8(1): 137-48. Disponível em: .

Soares LS, Sousa DACM, Machado ALG, Silva GRF. Caracterização das vítimas de traumas por acidente com motocicleta internadas em um hospital público. Rev enferm UERJ. 2015; 23(1): 115-21.

Castro RRM, Ribeiro NF, Andrade AM, Jaques BD. Perfil de um hospital público de Salvador-Bahia dos pacientes de ortopedia de enfermagem. Acta ortop. bras. 2013; 21(4): 191-94. Disponível em:

Brasil. Estatuto do Corpo de Bombeiros Militares do Distrito Federal. Lei nº 7.479, 2 de junho de 1986. Brasília-DF.

Brasil. Sala de apoio à gestão estratégica. Portal da Saúde. Ministério da Saúde. [Internet]. Criado: 13 Junho 2014. Disponível em: . Acessado em: 26 nov 2016.

Sallum AMC, Sousa RMC. Diagnósticos de enfermagem em vítimas de trauma nas primeiras seis horas após o evento. Acta paul. enferm. 2012; 25(2): 256-62. Disponível em: /10.1590/S0103-21002012000200016>.

Hospital Israelita Albert Einstein. Diretrizes Assistenciais: Diretriz de tratamento farmacológico da dor; 2012. Disponível em: .

Andrade SM, Jorge MHPM. Características das vítimas por acidentes de transporte terrestre em município da Região Sul do Brasil. Rev. Saúde Pública. 2000; 34(2): 149-56. Disponível em: .

Santos JLG, Garlet ER, Figueira RB, Lima SBS, Prochnow AG. Acidentes e violências: caracterização dos atendimentos no pronto-socorro de um hospital universitário. Saúde soc. 2008; 17(3): 211-18. Disponível em: .

Lins TH, Lima AXBCL, Veríssimo RCSS, Oliveira JM. Diagnósticos e intervenções de enfermagem em vítimas de trauma durante atendimento pré-hospitalar utilizando a CIPE. Rev. Eletr. Enf. 2013; 15(1): 34-43. Disponível em: .

Barbosa JSL, Moraes-Filho IM, Pereira BA, Soares SR, Silva W, Santos OP. O conhecimento do profissional de enfermagem frente à parada cardiorrespiratória segundo as novas diretrizes e suas atualizações. Rev. Cient. Sena Aires. 2018; 7(2): 117-26.

Almeida RB, Silva RM, Moraes-Filho IM. As dificuldades enfrentadas pelo enfermeiro do trabalho na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais – revisão de literatura. Rev. Cient. Sena Aires. 2017; 6(1): 59-71.

Oliveira GM, Silva RM, Moraes Filho IM, Guido LA. Influência do turno de trabalho na qualidade de vida dos profissionais de enfermagem de um hospital público do noroeste do Mato Grosso- MT. Rev. Cient. Sena Aires. 2016; 5(1): 4-20


Texto completo: PDF PDF(ENG)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (Online): 2179-0981 / ISSN (Impresso): 2316-848X

Indexações: Públic Knowledge Project(PKP); LATINDEX; DOAJGoogle ScholarSumário.org;  CUIDENDIADORIMPortal Oasisbr; LA Referencia (Red de repositórios abiertos a la ciencia)RCCAP (Registros Científicos de Acesso Aberto de Portugal); e  REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)