Perfil nutricional de pré-escolares do programa mais educação na cidade de Goiânia- GO

Luana Carla Andrade Souza, Veronica de Lima Santos, Rodrigo Ansaloni de Oliveira, Keila Cristina Félis, Carla Chiste Tomazoli Santos, Iel Marciano de Moraes Filho

Resumo


O objetivo do estudo fora avaliar o Perfil nutricional de escolares de uma escola tempo integral participante do programa Mais Educação na cidade de Goiânia- Go. Trata-se de uma pesquisa exploratória, com abordagem quantitativa. O cenário desta investigação foi uma escola de tempo integral beneficiada pelo Programa Mais Educação no município de Goiânia- GO. A amostra do estudo foi composta por 154 crianças no período pré-escolar. No total observou que 42% de crianças estão no índice de normalidade, 33% se encontram em situação nutricional abaixo do peso, seguido de 13% de crianças com obesidade grau III, 7% com sobre peso, 3% obesidade grau II e 2% grau I. A falta de heterogeneidade nos resultados demonstraram um despreparo pelas as partes governamentais, e da gestão escolar na qualidade nutricional dos escolares que esta diretamente ligada ao crescimento e desenvolvimento fisiológico e mental das crianças assistidas na instituição de ensino.

 


Palavras-chave


Serviços de Saúde Escolar; Políticas Públicas de Saúde; Pré-Escolar; Transtornos da Nutrição Infantil; Obesidade Pediátrica.

Referências


-Accioly E. A escola como promotora da alimentação saudável. Rev. Ensaio. Ciência em Tela, V.nº2, Rio de Janeiro; 2009.

- Ramos FP, Santos LA, Costa AB. Educação alimentar e nutricional em escolares: uma revisão de literatura. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, pág. 2147-2161, 2013.

-Carvalho KIF, Alves MIS, Vidal JMA. Ações Educativas de Incentivo ao Consumo de Peixe por Escolares da Rede Municipal de Serra Talhada-PE. XIII JORNADA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO – JEPEX 2013 – UFRPE: Recife, December 9-13.

-BRASIL, Escola Básica e Secundária Tomás de Borba. Programa de Educação e Higiene Alimentar; 2018. Available at: . Acesso em: 17 Apr 2018.

-FNDE (Fundo Nacional de Alimentação Escolar). Programa Nacional de Alimentação Escolar. Available at: Access on: 20 Apr 2018.

- Fisberg M, Machado R, Possa G. Obesidade Infantil – Rede Nacional Primeira Infantil – RNPI, Fortaleza/CE;2015.

Zanin T. Como Calcular o IMC da Criança e do Adolescente. Tua saúde. Available at: . Access on: 13 Apr 2018.

- Pinheiro P. Como Calcular o IMC – Índice de Massa Corporal. MD. Saúde, 2017. Available at: < https://www.mdsaude.com/2014/10/imc-indice-de-massa-corporal.html>. Access on: 13 Apr 2018.

- BRASIL, Ministério da Educação. Fundo Nacional entidades executoras participantes do Programa Mais Educação, exercício 2014. Desenvolvimento da Educação – FNDE. Repasse Financeiro do Programa Nacional de Alimentação Escolar.

- Basílio AL. Alimentação Escolar é parte do processo de aprendizagem. Centro de Referências em Educação Integral. Available at: .Access on: 12 Apr 2018.

- BRASIL, Ministério da Saúde. Manual de Terapia Nutricional Na Atenção Especializada Hospitalar No Âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Brasília-DF; 2016.

- BRASIL, Ministério da Educação. Saiba Mais – Programa Mais Educação. Available at: < http://portal.mec.gov.br/expansao-da-rede-federal/195-secretaria112877938/seb-educacao-basica-2007048997/16689-saiba-mais-programa-mais-educacao>. Access on: 20 Apr 2018.

- Rodrigues JP, Pereira ES, Moura MR e Colaboradores. Estado Nutricional e os Efeitos da Educação em Saúde com Pré-escolares: revisão integrativa de literatura. Portuguese, Rev Enferm UFPI. 2016; 5(2): 53-59.

- Paula R, Alberto F, Lamboglia GF, Silva MBL, Tereza V, Monteiro S, Moreira M, Priscilla A, Pinheiro NP, Helena M, Silva B, Antonio C. Prevalência de Sobrepeso e obesidade em escolares da rede pública e particular da cidade de Fortaleza. In: Revista Brasileira em Promoção da Saúde; 2018.

- Oliveira LFL, Costa CRB. Educação física escolar e a obesidade infantil. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo Do Conhecimento.2016; 10(1): 87-101.

-Pedraza DF, Silva FA, Melo NLS, Et al. Estado nutricional e hábitos alimentares de escolares de Campina Grande, Paraíba, Brasil. Ciências & Saúde Coletiva, Campina Grande, PB. 2017. p.469 – 477.

-Mendes LV. As consequências da desnutrição no desenvolvimento físico e mental infantil. Fundação Telefônica.Brasil, 2 de dez 2016. Available at:

. Access on: 21 Apr 2018.

- Otero UB, et al. Prevalência de óbitos por desnutrição em idosos, Região Sudeste, 1980-1997. Revista de Saúde Pública, São Paulo, [S.l].2002; 36(2): 141-48.

-Silva JKS, Beserra LCM, Moura IRD, Et al. O Programa Saúde na Escola e a Atuação do Enfermeiro no Contexto da Atenção Primária. II Congresso Brasileiro de Ciências e Saúde – CONFRACIS. Campina Grande/PB, 2017.

- Rashe AS, Santos MSS. Relato de Experiência. Enfermagem escolar e sua especialização: uma nova ou antiga atividade. Rev. bras. enferm. vol.66 no.4 Brasília July/Aug. 2013.

- Sousa E, Guerreiro M. O papel do enfermeiro na obesidade infantil. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, ano 19, nº 199, 2014.

-Ooliveira VC, Cadette MMM. Anotações do enfermeiro no acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Acta paul. enferm. vol.22 no.3, ISSN 1982-0194, São Paulo/SP, 2009.

- Corengo.org.br. 2014. Protocolo de Enfermagem na Atenção Primária à Saúde no Estado de Goiás. [online] Available at: .Access on: 11 Aug 2018.

-Vinicius M. Crescimento e Desenvolvimento. Enfermagem Esquematizada. Available at: . Access on: 1 May 2018.

-Mesquita AL, Souza VAB, Moraes-Filho IM, Santos TN, Santos OP. Atribuições de enfermeiros na orientação de lactantes acerca do aleitamento materno. Rev. Cient. Sena Aires. 2016; 5(2): 158-70.

-Bergamaschi D, Adami FS. Perfil Antropométrico de Crianças e Adolescentes. Rev. Ciênc. Saúde.2015; 17(1): 53-60.

-QEDU. Dados sociodemográficos e estruturais da escola pesquisada. Disponível em: Access on 11 May 2018.

- Linardakis, M, Sarri, K, Pateraki, MS, Sbokos, M, Kafatos, A. O consumo de bebidas com adição de açúcar entre crianças do jardim de infância de Creta: efeitos sobre o estado nutricional e risco de obesidade . BMC Public Health;  2008.

- BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Interministerial Nº 1.010, de 8 de Maio de 2006. Institui as diretrizes para a Promoção da Alimentação Saudável nas Escolas de educação infantil, fundamental e nível médio das redes públicas e privadas, em âmbito nacional. Brasília: MS, 2006.

Available at: . Access on: 2 Jan 2018.

- Oliveira MC, Vassimon HS, Programa Nacional de Alimentação Escolar e suas aceitações pelos alunos: uma revisão sistemática. Investigação 2012; 12(1):4-10.

- Fernandes AGS, Fonceca ABC, Silva AA. Alimentação escolar como espaço para educação em saúde: percepção das merendeiras do município do Rio de Janeiro, Brasil. Cien Saúde Colet 2014;19(1):39-48.

- Costa LDS, Pessoni LML, Moraes-Filho IM, Santos CCT, Queiroz HA, Araujo LM. Importância e necessidade de formas de organização e gestão escolar. 2018; 7(3): 214-27.

- World Health Organization. Growth reference data for children aged under 5 years. WHO reference, 2007.

- Ferreira, H.S. SCM. Luciano, SCM . Prevalência de extremos antropométricos em crianças do estado de Alagoas. Rev Saúde Pública.2010; 44(2):377-80.

- Strufaldi, M W L.; Puccini, R F.; Pedroso, G C.; Silva, HMK.; Silva, NN. Prevalência de desnutrição em crianças residentes no município de Embu, São Paulo, Brasil, 1996-1997. Cad. Saúde Pública 2003;19(2):421-428.

-Fanhani, K K. Bennemann, RM. Estado nutricional de escolares da rede municipal de ensino de Maringá, Estado do Paraná, Brasil. Acta Scientiarum 2011;33(1): 77-82.

-Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. p. 292 .


Texto completo: PDF PDF(ENG)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN (Online): 2179-0981 / ISSN (Impresso): 2316-848X

Indexações: Públic Knowledge Project(PKP); LATINDEX; DOAJGoogle ScholarSumário.org;  CUIDENDIADORIMPortal Oasisbr; LA Referencia (Red de repositórios abiertos a la ciencia)RCCAP (Registros Científicos de Acesso Aberto de Portugal); e  REDIB(Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)