Perfil dos agravos e local das lesões do paciente adulto atendido na sala amarela de um hospital público do Distrito Federal

Rodrigo Escobar Guerra, Iel Marciano de Moraes Filho, Jessica de Arêa Leão Silva, Ailane Milard Moreira de Souza, Acza Araújo Soreas de Alcântra, Sandra de Nazaré Costa Monteiro

Resumo


Objetivo: identificar quais são os mecanismos de trauma e os tipos de lesões mais frequentes nos pacientes de 30 a 49 anos atendidos na sala amarela do centro de trauma de um hospital público do Distrito Federal. Método: estudo epidemiológico descritivo transversal sobre o perfil, epidemiológico e clínico. Os critérios de inclusão foram:  admissões primárias, faixa-etárias 30 a 49 anos, ambos os sexos e vítima trauma, totalizando amostra com 697 admissões. Resultados: foi evidenciado que nesta faixa etária, prevaleceram os motociclistas traumatizados com 27,7%( n= 193), seguido de ocupante de automóvel traumatizado com 17,5%( n= 122) e queda da própria altura com 11,04%( n=77). Conclusão: o trabalho evidencia a necessidade das equipes componentes dos sistemas hospitalares e demais unidades que atuam diretamente ou indiretamente, com pacientes traumáticos, a necessidade de se aperfeiçoarem, na tentativa de se conhecer melhor o perfil de pacientes que buscam tratamentos nesta unidade, além de poder proporcionar uma assistência de melhor qualidade

Palavras-chave


Adulto Jovem; Centros de Traumatologia; Ferimentos e lesões; Causas externas; Traumatismo múltiplo.

Referências


Waiselfisz J J. Mapa da violência 2013: Mortes matadas por armas de fogo. FLACSO-Brasília - DF. [acesso em maio de 2016]. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br/mapa2013_armas.php.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Atlas do censo demográfico 2010. [acesso em novembro de 2016]. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/apps/atlas/..

Brasil. Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências. Portaria GM/MS Nº 737 de 2001. Publicada no DOU nº 96 seção 1e - de 18/05/01

Padovani C, silva JM, Tanaka C. Perfil dos pacientes politraumatizados graves atendidos em um serviço público de referência. Arq. Ciênc. Saúde. 2014 jul-Set; 21(3): 41-45

Coelho BQ, Carbajo CN, Martins HH, Polly M, Polimanti AC, Faro Junior MP. Importância da reavaliação primária seriada na condução do politraumatizado - relato de caso e revisão de literatura. Rev Med (São Paulo). 2014 out.-dez; 93(4): 159-164.

ATLS – Manual do Curso de Alunos – 9ª. Edição – Colégio Americano de Cirurgiões – 2012

Hulley SB, Cummings SR, Browner WS, Grady DG, Newman TB. Delineando a pesquisa clínica. 4º edição. Artmed. Porto Alegre, 2015.

Lima SO, Cabral FLD, Neto AFP, Mesquita FN, Feitosa MFG, Santana VR. Avaliação epidemiológica das vítimas de trauma abdominal submetidas ao tratamento cirúrgico. Rev. Col. Bras. Cir. Rio de Janeiro, 2012 July/Aug; 39(4): 302-306

Citadini JM, Scholtão J, Souza RB, Garanhani MR. Perfil epidemiológico dos pacientes com lesão medular do Ambulatório de Fisioterapia Neurológica do Hospital Universitário Regional do Norte do Paraná. Rev Espaço Saúde, Londrina – PA, 2003; 5(1): 48-59.

Leyton V, Greve JMD’A, Carvalho DG, Muñoz DR. Perfil epidemiológico das vítimas fatais por acidente de trânsito e a relação com o uso do álcool. Saúde, Ética & Justiça. 2005; 10(1/2): 12-18.

Pereira Jr GA, Scarpelini S, Basile-filho A, Andrade JI. Índices de trauma. Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: TRAUMA I. 1999 jul./set; 32: 237-250.

Magalhães PAP, Mota FA, Saleh CMR, Secco LMD, Fusco SRG, Gouvea AL. Percepção dos profissionais de enfermagem frente a identifiação, quatificação e tratamento da dor em pacientes de uma unidade de terapia intensiva de trauma. Rev Dor. São Paulo, 2011 jul-set; 12(3): 221-225.

Batista EAB, Baccani JG, Silva RAP, Gualda KPF, Vianna JR RJA, TCBC-SP. Análise comparativa entre os mecanismos de trauma, as lesões e o perfil de gravidade das vítimas, em Catanduva - SP. Rev. Col. Bras. Cir. Rio de Janeiro, 2006 Jan./Feb; 33(1).

Santos AMR, Moura MEB, Nunes BMVT, Leal CFS, Teles JBM. Perfil das vítimas de trauma por acidente de moto atendidas em um serviço público de emergência. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 2008 agosto; 24(8).

Rodrigues MB. Diagnóstico por imagem no trauma músculo-esquelético – princípios gerais/ Diagnostic imaging in musculoskeletal trauma - general principles. Rev Med. (São Paulo). 2011 out.-dez; 90(4): 185-194.

Felice CD, Susin CF, Costabeber AM, Rodrigues AT, Beck MO, Hertz E. Choque: diagnóstico e tratamento na emergência. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, 2011 abr.-jun; 55(2): 179-196.

Kumaresan S. et al. Biomechanics of side impact injuries: evaluation of seat belt restraint system, occupant kinematics and injury potential. [acesso em outubro de 2016]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17946783.

Cardoso Ricardo et al. Resgate aeromédico a traumatizados: experiência na região metropolitana de Campinas, Brasil. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, São Paulo, 2014; 41(4): 236-244.

Barbosa JSL, Moraes-Filho IM, Pereira BA, Soares SR, Silva W, Santos OP. O conhecimento do profissional de enfermagem frente à parada cardiorrespiratória segundo as novas diretrizes e suas atualizações. Rev. Cient. Sena Aires. 2018; 7(2): 117-26.

Bonuzzi KL, Muniz-Silva CCS, Santos OP, Moraes-Filho IM, Lopes VC, Silva RM. Atuação do enfermeiro no atendimento pré hospitalar aéreo a pacientes politraumatizados Revisão de literatura. Rev. Cient. Sena Aires. 2016; 5(2): 171-7.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017)/ JCR 1.021 (2018)

Qualis CAPES: B4

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X