Inserção de pessoas na maturidade na educação superior

Kerolyn Ramos Garcia, Marileusa Dosolina Chiarello, Joaquim Trajano Pinto Soares Lima, Leonardo Costa Pereira, Suzana Schwerz Funghetto, Margô Gomes de Oliveira Karnikowski

Resumo


Objetivo: comparar a inserção das pessoas maduras (≥40 anos) na educação superior - ES no Brasil com o crescimento desta população no período de 2011/2016. Método: Foram utilizados dados públicos do censo da educação superior de 2011 a 2016 do INEP/MEC. Os dados populacionais dos grupos etários investigados para o mesmo período foram obtidos no sítio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resultados: O índice de envelhecimento aumentou quase 30%, enquanto as matrículas na ES de pessoas maduras aumentaram mais do que a população deste grupo etário, sendo o maior aumento na faixa acima de 60 anos. As instituições privadas responderam por 4/5 das matrículas. Conclusões: a inclusão de pessoas na maturidade na ES pode contribuir para o processo de promoção de sua saúde.

Palavras-chave


Educação superior; Envelhecimento; Promoção de saúde.

Referências


World Health Organization. World Report on Ageing and Health. World Heal Organ. 2015:4-260.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Síntese de Indicadores Sociais: Uma Análise Das Condições de Vida Da População Brasileira. Vol 39.; 2016. doi:ISSN 0101-4234

Scortegagna PA, Oliveira R de C da S. Educação : integração , inserção e reconhecimento social para o idoso. Rev Kairós Gerontol. 2010;13(1):53-72.

Anica A, Almeida AF de, Ribeiro CM, Sousa C. Envelhecimento Ativo e Educação. Universidade do Algarve; 2014.

Franco CMB, de Fátima M do R. Educação Permanente e as Conferências Regionais de Envelhecimento na América Latina e Caribe/Permanent Education and The Regional Aging Conferences in Latin America and Caribbean. Rev FSA (Faculdade St Agostinho). 2017;14(3):236-253.

dos Santos FH, Andrade VM, Amodeo Bueno OF. Envelhecimento: um processo multifatorial. Psicol em Estud. 2009;14(1).

Espírito-Santo H, Pena IT, Garcia IQ, Pires CF, Couto M, Daniel F. Memória e envelhecimento: Qual o real impacto da idade? Rev Port Investig Comport e Soc. 2016;2(2):41-54.

Garcia FHA, Mansur LL. Habilidades funcionais de comunicação : idoso saudável Functional communication assessment : the healthy elderly. Acta Fisiatria. 2006;13(2):11-13.

Satz P. Brain Reserve Capacity on Symptom Onset After Brain Injury: A Formulation and Review of Evidence for Threshold Theory. Neuropsychology. 1993;7(3):273-295. doi:10.1037/0894-4105.7.3.273

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. Síntese de Indicadores Sociais - Uma Análise Das Condições de Vida Da População Brasileira. Vol 34. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2014.

Brasil. Ministério da Educação. Sinopses Estatísticas da Educação Superior – Graduação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Instituto Nacional de Geografia e Estatística. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - PNAD. PNAD.

IBGE. Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios (PNAD) 2014. Vol 41. Brasília, DF: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2015. doi:ISSN 0101-4234

Closs VE, Schwanke CHA. A evolução do índice de envelhecimento no Brasil, nas suas regiões e unidades federativas no período de 1970 a 2010. Rev Bras Geriatr e Gerontol. 2012;15(3):443-458. doi:10.1590/S1809-98232012000300006

Nogueira SL, Geraldo JM, Machado JC, Ribeiro R de CL. Distribuição espacial e crescimento da população idosa nas capitais brasileiras de 1980 a 2006 : um estudo ecológico. Rev Bras Estud Popul. 2008;25(1):195-198. doi:10.1590/S0102-30982008000100012

Correia F. Envelhecimento da Sociedade Portuguesa. Fontes de Informação Sociológica. 2012:33.

de Mello Moreira M. O envelhecimento da população brasileira: intensidade, feminização e dependência. Rev Bras Estud Popul. 2014;15(1):79-94.

Brasil. Ministério da Saúde. Estatuto Do Idoso. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2003.

Mancebo D, Araújo do Vale A, Barbosa Martins T. Políticas de expansão da educação superior no Brasil. Rev Bras Educ. 2015;20(60):31-50.

Sarraipo MA dos S, Raymundo RS, Leao MABG, de Castro MACD, Pacheco MMDR. A presença do idoso no ensino superior brasileiro e os rumos dos modelos de ensino-aprendizagem. Rev Perspect do Desenvolv. 2016;4(05).

de Oliveira LL, Sarraipo MA dos S, Raymundo RSB, Leao MAGL, de Castro MACD, Pacheco MMDR. A Presença do Idoso no Ensino Superior Brasileiro e os Rumos dos Modelos de Ensino-Aprendizagem. Rev Perspect do Desenvolv um enfoque Multidimens. 2016;04(5).

d’Alencar RS. Ensinar a viver, ensinar a envelhecer: desafios para a educação de idosos. Estud Interdiscip sobre o Envelhec. 2002;4:61-83.

Scherer GA. Juventudes como estratégia de desenvolvimento: a Política Nacional de Juventude na era neodesenvolvimentista. An do Encontro Int e Nac Política Soc. 2016;1(1).

Veras RP, Caldas CP. Promovendo a saúde e a cidadania do idoso: o movimento das universidades da terceira idade. Cien Saude Colet. 2004;9(2):423-432.

Cachioni M, Aguilar LE. A Convivência com Pessoas Idosas em Instituições de Ensino Superior: a percepção de alunos da graduação e funcionários. Rev Kairós Gerontol. 2008;11(1):79-104.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017)/ JCR 1.021 (2018)

Qualis CAPES: B4

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X