Análises Microbiológicas e Físico-Químicas de Queijos Minas Frescal comercializados em feiras livres

Patrícia Faria Barbosa, Larissa Albuquerque Siqueira, Ana Elisa Barreto Matias

Resumo


Objetivo: avaliar o Queijo Minas Frescal comercializados em feiras livres, na cidade satélite do Gama no estado do Distrito Federal, a fim de verificar os limites microbiológicos e físico-químicos de acordo com os padrões e órgãos competentes. Método: Foram analisadas 2 amostras de Queijo Minas Frescal comercializados na cidade Gama-DF. As amostras foram acondicionadas em caixa isotérmica Foram realizadas as análises microbiológicas e físico-químicas em laboratórios de microbiologia e bromatologia. Avaliaram-se coliformes totais e fecais ou termotolerantes, contagem de aeróbios mesófilos e psicotróficos, além das análises físico-químicas avaliando acidez, pH, umidade e cinzas. Resultados: as análises comprovam o índice de contaminação microbiológica, bem como a não conformidade aos parâmetros físico-químicos essenciais como, por exemplo, a presença de substâncias inorgânicas apontadas pelas análises de determinação de cinzas e a variação na acidez. Conclusão: evidencia-se a falta de padrão e controle da qualidade da matéria-prima na produção de queijos.

Palavras-chave


Queijo; Análises microbiológicas; Controle de qualidade.

Referências


Oliveira JS. Queijo: fundamentos tecnológicos. 2. ed. Campinas: Ícone;1986.

Behmer MLA. Tecnologia do leite. 13.ed. São Paulo: Nobel; 1984.

Pinto PSA, Germano MIS, Germano PML. Queijo minas: problema emergente de vigilância sanitária. Higiene Alimentar.1996;10(44):22-27.

CONAB. [homepage na internet]. Perspectivas para a agropecuária. [acesso em 2 ago 2019]. Disponível em: http://www.conab.gov.br

Sangaletti N, Porto E, Brazaca S GC, Yagasaki CA, Dalla DEA, RC, Silva MV. Estudo da vida útil de queijo Minas.Ciênc. Tecnol. Aliment.2009; 29(2): 262-269.

Zacarchenco PB, Van Dender AGF, Rego RA. Brasil dairy trends 2020.1. Ed. Campinas: ITAL; 2017.

Felício Filho, A. Eficiência econômica de estocagem de queijos. Informe agropecuário.1984;10(21):6-11.

Furtado, M.M. A arte e a ciência do queijo. 2 ed. São Paulo: Globo;1991.

Scott, R. Acidez y otrosanalisis químicos para elcontroldeprocesso de elaboration. 2, ed. Zaragoza: ACRIBIA; 1991.

Hoffmann FL, Gonçalves TMV; Coelho, AR, Hirooka EY, HOFFMANN P. Qualidade microbiológica de queijos ralados de diversas marcas comerciais, obtidos do comércio varejista do município de São José do rio Preto, SP. São Paulo: Rev. Hig. Alimentar.2004;18(122):62-66.

Fernandes AM, Andreatta E, Oliveira CAF. Ocorrência de bactériaspatogênicas em queijos no Brasil: questão de saúde pública. Rev. Hig. Alimentar.2006;20(144):4-56.

Brasil. Resolução RDC no 12, de 02 de janeiro de 2001 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE PADRÕES MICROBIOLÓGICOS PARA ALIMENTO. Brasília (DF); 2001 JAN 02. Disponível em: http://e-legis.bvs.br/leisref/public/showAct.php?id=144. Acesso em 28.08.2006.

Amiot J, Almudí , RO. Ciencia y tecnologia de la leche. Zaragoza: Acribia;1991.

Almeida PMP. FRANCO RM. Avaliação bacteriológica de queijo tipo Minas Frescal com pesquisa de patógenos importantes à Saúde Pública:Staphylococcus aureus, Salmonella sp e Coliformes Fecais. Rev. Hig. Alimentar. 2003;17 (111):79-85.

Franco BDGM, LANDGRAF M. Microbiologia dos alimentos. São Paulo: Ed. Atheneu; 2003.

Ricardo NR, Souza JF, Godoi FS, Prado JV. Análise físico-química de queijos minas frescal artesanais e industrializados comercializados em Londrina-PR. Revista Brasileira de Pesquisa em Alimentos.2011; 2(2):89-95.

Brant LMF, Fonseca LM, Silva, MCC. Avaliação da qualidade microbiológica do Queijo Minas Frescal do Serro – MG. Arquivo Brasileiro Medicina Veterinária e Zootecnia.2007;59(6):1570-1574.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017)/ JCR 1.021 (2018)

Qualis CAPES: B4

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X