A utilização da música gospel como instrumento terapêutico na reabilitação de dependentes químicos em casa de recuperação do entorno do Distrito Federal

Leydiane Eduarda Viana, Maria Luzineide Pereira da Costa Ribeiro

Resumo


Objetivo: verificar a percepção do paciente com relação à música e o viés terapêutico deste mecanismo durante sua intervenção utilizando da música gospel como instrumento terapêutico em sua reabilitação por dependência química na casa de Recuperação Mãe do Novo Homem. Método: Trata-se de uma pesquisa exploratório- descritiva com abordagem quali-quantitativa, constituída por uma amostra de 11 pessoas em tratamento por dependência química. Os dados foram coletados no mês de setembro de 2015 através de um questionário composto por vinte questões, analisando o grau de satisfação em relação ao tratamento músico-terapêutico, os efeitos por ele causados e suas fragilidades. Resultados: foi possível identificar a percepção dos pacientes em relação aos seus sentimentos, com o uso da música gospel e a espiritualidade como método paliativo no tratamento. Conclusão: a cultura musical é um fator de grande importância na formação da personalidade do ser humano, por desenvolver sentimento, autoestima, sensibilidade, autodisciplina, criatividade e vontade de ir além, entre outros benefícios.

Palavras-chave


Dependência Química; Música; Espiritualidade

Referências


Bruscia KE. Definindo musicoterapia. 2a ed. Rio de Janeiro: Enelivros/ 2000.

UBAM – união brasileira das associações de musicoterapia. Revista brasileira de musicoterapia {editorial} 1991; 1 (2) : 4.

Aleixo M. musicoterapia nos transtornos mentais na velhice. J bras neuropsiq geriátrica 2001; 2 (1) : 15-8.

Bíblia, A 2007. T. I Samuel. Português. In bíblia sagrada. São Paulo, ed. Canção nova, cap. 16 vers. 23.

Bergold lb, sobral. V. music for care humanization. Online brasilian journal nursing {serial online} 2003 dec { cited 2005 nov 6} 2 (3): available from:www.uff.br/nepae/objn203bergoldsobral.htin.

Watson.1. Watson’s. Theory of transpersonal caring.in: walker, p, & neuman, b. (orgs.). Blueprint for use of nursing models: education, research, practice and administration. New York: n & n press; 1996.p.141-184.

Grant r. music therapy assessment for developmentally desablid clients. In: wegram t, saperston b, west r, editors. The art and science of music therapy: a handbook. London hardwood academic, 1995.p.273-87.

Figlie, bordin, laranjeiro2004 (Base de dados Lilacs: Música removendo barreiras e minimizando resistências de usuários de substância).

Prevenção ao uso indevido de drogas (curso de capacitação para conselheiros municipais) Brasilia, 2008.

Tavares; béria; lima, 2004. Portal dos psicólogos. Droga e adolescência.

Menezes 2011. Portal dos psicólogos. Drogas e adolescência.

Ricardo Antônio Braz (O combate ás drogas através da educação) Universidade Estadual de Maringá.

Figlie NB, fontes A, Moraes E, paya R. Filhos de dependentes químicos com fatores de risco biopsicossociais necessitam de um olhar especial? Revista de psiquiatria clinica 2004;31(2):53-62.

Schenker M, minayio MCS. A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas. Caderno de saúde publica 2004; 20(3):649-59.

Bretas JRS, Pereira SR. A abordagem na representação social. In: Matheus MCC, Fustinoni SM. Pesquisa qualitativa em enfermagem. São Paulo: LMP Editora, 2006;43-52.

Backes, DS et al. “Música: terapia complementar no processo de humanização de uma CTI” , Revista Nursing, v.71,n.7 (2004),pp.35-41.

Octaviano, C, “ Os efeitos da música no cérebro”. Disponivel em: www.targetaudio.com.br/os-efeitos-da-música-no-cerebro-humano. Acesso em 02/08/2010.

Correa Alves, AP. ”Efeito do estímulo musical no controle autonômico da frequência cardíaca”, In: XII Congresso latino-americano de iniciação cientifica e VIII Encontro de Pós-Graduação, 2008, São josé de campos. Anais do XII INIC e VIII EPG S. J Campos: UNIVAP, cd, 2008.

Leão, ER; Silva, MJP, “Música e dor crônica musculoesquelética: o potencial evocativo de imagens mentais”, Ver. Lat. Amer. Enferm, v.12, n.2, 2004, p.235-241.

Larson, 2003. A religiosidade/espiritualidade como influência positiva na abstinência, redução e/ou abandono do uso de drogas.

Gina Andrade abdala, Wellington Gil Rodrigues, Magrela de Souza brasil e Amilton Torres. (A Religiosidade/espiritualidade como influência positiva na abstinência, redução e /ou abandono do uso de drogas).

(Koenig; McCOLLOU GH; Larson, 2001ª.) {A Religiosidade/espiritualidade como influência positive na abstinência, redução e/ou abandono do uso de drogas.}

Day E, Wilkes S, copello A. Spirituality is not everyone’s cup of tea for treating addiction. B MJ.2003;326(7394):881.

Pullen L, Modrcin-Talbott MA, West WR, Muenchen R. Spiritual High vs high on spirits: is religiosity related to adolescent alcohol and drug abuse?. J Psychiatr Ment health Nurs. 1999;6(1):3-8.

Neff JA, Shorkey CT, Windsor LC. Contrasting faithbased and traditional substance abuse treatment programs. J Subst Abuse Treat.2006;30(1):49-61.

Paula ES, Nascimento LC, Rocha SMM. Religião e espiritualidade: experiência de famílias de crianças com insuficiência renal crônica. Rev Bras Enferm. 2009; 62(1): 100-6.

Tomeleri KR, Marcon SS. Práticas populares de mães adolescentes no cuidado aos filhos. Acta Paul. Enferm. 2009;22(3):272-80.

Cunha W. Dependência Química: O método de tratamento de uma das doenças mais desafiadoras do século. São Paulo: Idéia & ação, 2008.196p.

Newshan, G. - Transcending the physical: spiritual aspects of pain in patients with HIV and/or câncer. J Adv Nurs 28:1236-1241, 1998.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017)/ JCR 1.021 (2018)

Qualis CAPES: B4

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X