A atenção primária como eixo estruturante da redução dos indicadores de violência contra crianças e adolescentes

Rachel Amorim Quirino da Costa Marinho, Ricardo Saraiva Aguiar

Resumo


Objetivo: Demonstrar o papel da atenção primária à saúde no enfrentamento da violência contra crianças e adolescentes. Método: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, no período de 2010 a 2015, de artigos pesquisados nos bancos de dados BDENF, LILACS e SciELO. Resultados: Optou-se pela definição de três categorias para a discussão dos resultados: as políticas públicas, a rede de proteção e as ações desenvolvidas para prevenção da violência. Conclusões: Verificou-se que as políticas públicas são instrumentos de Estado que fortalecem as intenções de enfrentamento da violência. Diversas são as instituições da rede de proteção disponíveis, porém as ações ainda são fragmentadas e perpetua o isolamento desses atores. Assim, faz-se necessário maiores esforços no sentido de compor uma rede que atue de forma sistêmica, contínua e articulada com o intuito de garantir a proteção, promoção e prevenção à saúde de crianças e adolescentes para um desenvolvimento pleno e saudável.

Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Violência Doméstica; Defesa da criança e do adolescente

Referências


Queiroz APDG, Garbin CAS. A violência contra criança e a notificação pelos profissionais de saúde. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Polêmica. 2011;10(2):271-277.

Garbini CAS, Garbini AJI, Moimazz SAS, Salibaz O, Costas ACO, Queiroz APDG. Notificação de violência contra criança: conhecimento e comportamento dos profissionais de saúde. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde. 2011;13(2):17-23.

Machado AL. Desenvolvimento e análise avaliativa de uma capacitação em violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes para os profissionais do Programa Saúde da Família [Dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2011.

Veloso LUP, Silva LCL, Sousa CR, Rodrigues PLR. Perfil de violência em crianças de 0 a 9 anos atendidas em um hospital público. Rev Enferm UFPI. 2015;4(1):97-105.

Aragão AS, Ferriani MGC, Vendruscollo TS, Souza SL, Gomes R. Abordagem dos casos de violência à criança pela enfermagem na atenção básica. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013;21(Especial).

Borges JPA. Violência na Infância: perspectivas e desafios para a Enfermagem. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 2014;14(2):154-8.

Klippel YAM. Processo de intervenção para a prática integrada de profissionais de saúde no atendimento à criança vítima de violência [Dissertação]. Curitiba: Universidade do Paraná; 2013.

Carlos DM. O cuidado em rede a famílias envolvidas na violência doméstica contra crianças e adolescentes: o olhar da Atenção Básica à Saúde [Tese]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2014.

Fernandes APP, Mazza VA, Lenardt MH. Rede de proteção contra a violência na infância à luz dos conceitos de Capra. Artigo reflexivo/ensaio. Revista Min Enferm. 2013;17(4):1026-1031.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Direitos Humanos. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Oliveira CN. A rede de proteção a crianças e adolescentes: finalidades e possibilidades [Especialização]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2014.

Souza RG, Santos DV. Enfrentando os maus-tratos infantis nas Unidades de Saúde da Família: atuação dos enfermeiros. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2013;23(2): 783-800.

Leite JT, Beserra MA, Scatena L, Silva LMP, Ferriani MGC. Enfrentamento da violência doméstica contra crianças e adolescentes na perspectiva de enfermeiros da atenção básica. Rev Gaúcha Enferm. 2016;37(2).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Fundação Osvaldo Cruz. Linha de Cuidado para a Atenção Integral à Saúde de Crianças, Adolescentes e suas Famílias em Situação de Violência Orientações para gestores e profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Ungaretti MA (Org). Criança e Adolescente: Direitos, Sexualidades e Reprodução. São Paulo: Pancrom Indústria Gráfica; 2010.

Borges JPA. Violência na Infância: perspectivas e desafios para a Enfermagem. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped. 2014;14(2):154-8.

Azevedo E, Pelicioni MCF, Westphal MF. Práticas intersetoriais nas políticas públicas de promoção de saúde. Physis Revista de Saúde Coletiva. 2012;22[4]:1333-56.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017)/ JCR 1.021 (2018)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 9,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X