Profissionais de saúde frente ao paciente fora de possibilidade terapêutica de cura

José Paulo da Silva, Clara Caroline dos Santos Silva, Jocellem Alves de Medeiros, Maxsuel Mendonça dos Santos, Henry Walber Dantas Viera, José Jailson de Almeida Júnior

Resumo


Objetivo: conhecer os sentimentos, a formação e a conduta dos profissionais de saúde de nível superior diante do paciente fora de possibilidade terapêutica de cura em uma unidade hospitalar. Método: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória. Os sujeitos do estudo foram quinze profissionais de saúde: três médicos, um fisioterapeuta, um nutricionista e dez enfermeiros que faziam parte do grupo de servidores efetivos desse hospital. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada e gravada, contendo questões abertas. Resultados: Após análise dos dados surgiram quatro unidades temáticas: sobre a morte e o morrer, diante do paciente fora de possibilidade terapêutica de cura, cuidados paliativos e a família, formação profissional para cuidados no fim de vida. Conclusão: com a pesquisa, considerou-se que a aceitação da morte está presente, entendendo como processo natural, que há falta de formação voltada para cuidados paliativos e reflexões sobre a temática da morte e que os cuidados paliativos se estendem as famílias. Destacamos a necessidade de formação concreta voltada para atender o paciente no fim da vida e discussões sobre a morte e o morrer.


Palavras-chave


Morte; Morrer; Cuidados paliativos.

Referências


Pessoa RL. O estudo da morte na formação do enfermeiro: percepções de estudantes [dissertação]. Natal (RN): Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2012.

Araújo FP. O existir do homem. Metavóia. Julho 1998-1999; (1): 71-74.

Elias N. A solidão dos moribundos, seguido de envelhecer e morrer. 1 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editora; 2001.

Bellato R, Carvalho EC. O jogo existencial e a ritualização da morte. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2005; 13 (1): 99-104.

Medeiros LA, Lustosa MA. A difícil tarefa de falar sobre morte no hospital. Rev. SBPH. 2011; 14 (2): 205.

Cardoso DH, Viegas AC, Santos BP, Muniz RM, Schwartz E, Thofehrn MB. O cuidado na terminalidade: dificuldades de uma equipe multiprofissional na atenção hospitalar. av. enferm. 2013; 31 (2): 84.

Menezes RA. Em busca da boa morte: antropologia dos cuidados paliativos. 1 ed. Rio de Janeiro: Garamond; 2004.

World Health Organization. Cancer control: knowledge into action: WHO guide for effective programs. Palliative care. 2007; 02-03.

Rodrigues IG. Cuidados paliativos: análise de conceito [dissertação]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; 2004.

Machado RS, Lima LAA, Silva GRF, Monteiro CFS, Rocha SS. Finitude e morte na sociedade ocidental: uma reflexão com foco nos profissionais de saúde. Cult. Cuid. 23 novembro de 2016; 20 (45): 91-97.

Bushatsky M. Paciente fora de possibilidade terapêutica: percepções de cuidadores, estudantes e profissionais de saúde da finitude e de cuidados paliativos [Tese]. Recife (PE): Universidade Federal de Pernambuco; 2010.

Garnica AVM. Some notes on qualitative research and phenomenology. Interface (Botucatu). Agosto de 1997; 1 (1): 109-122.

Minayio MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. 8 ed. São Paulo: Hucitec; 2004.

Bardin L. Análise de conteúdo. 4 ed. Lisboa: Edições 70; 1977.

Morizt RD. Os profissionais de saúde diante da morte e do morrer. Rev. bioet.(impr.). 2005; 13 (2): 51-63.

Lima JL. Morte e morrer: a importância do estudo para profissionais de enfermagem. Professores uff. 2004; 01-10.

Santana JCB, Campos ACV, Barbosa BDG, Baldessari CEF, Paula KF, Rezende MAE, Dutra BS. Cuidados paliativos aos pacientes terminais: percepção da equipe de enfermagem. Bioethikos. 2009; 3 (1): 77-86.

Maranhão JLS. O que é morte. 1 ed. São Paulo: Brasiliense; 1985.

Santos MA, Hormanez M. Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciênc. Saúde Colet. 2013; 18 (9): 2757-2768.

Silva RS, Campos AER, Pereira A. Cuidando do paciente em processo de morte na unidade de terapia intensiva. Rev Esc Enferm USP. Junho de 2011; 45 (3): 738-744.

Kruse MHL. Cuidados paliativos: uma experiência. Revista HCPA. 2007; 27 (2): 49-52.

Guedes JAD, Sardo PMG, Borenstein MS. A enfermagem nos cuidados paliativos. Online braz. j. nurs. (online). 2007; 6 (2): 1-7.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017)/ JCR 1.021 (2018)

Qualis CAPES: B4

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X