Suicídio de idosos no Brasil: 1996-2017

Hellen Torres Coelho, Linconl Agudo Oliveira Benito

Resumo


Objetivo: Analisar a mortalidade de idosos por suicídio no “Brasil” entre “1996 a 2017”. Método: Pesquisa epidemiológica, exploratória, descritiva e quantitativa. Os dados foram extraídos no Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde (SIM/MS) e organizados no software Microsoft Excel 2016® pertencente ao pacote Microsoft Office 2016®, sendo implementada análise estatística descritiva. Resultados: Foi identificado o universo de 29.768 registros, com média e desvio-padrão de (1353,1±375,7). A região Sudeste (SE) registrou a maior preponderância com 35,2% (n=10.490). Também foi verificada maior preponderância com 54,5% (n=16.231) pessoas com 60 a 69 anos, 81,3% (n=24.213) pessoas do sexo masculino, 62,4% (n=18.582) da raça/cor branca, 19,2% (n=5.713) possuíam entre 1 a 3 anos de escolarização, 51,5% (n=15.339) se encontravam casados(as) e 66% (n=19.646) tiveram registro de óbito no domicílio. Considerações finais: Foi verificado aumento na frequência de registros de casos de suicídio de idosos no recorte geográfico e histórico analisados.

Palavras-chave


Mortalidade; Idoso; Suicídio; Epidemiologia

Referências


Cortez PA, Veiga HMS, Gomide APA, Souza MVR. Suicídio no trabalho: um estudo de revisão da literatura brasileira em psicologia. Revista Psicologia Organizações e Trabalho. 2019;19(1):523-531. doi: http://dx.doi.org/10.17652/rpot/2019.1.14480.

Ribeiro JM, Moreira MR. Uma abordagem sobre o suicídio de adolescentes e jovens no Brasil. Ciência saúde coletiva. 2018;23(9):2821-2834. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232018239.17192018.

Almeida FM. O suicídio: Contribuições de Émile Durkheim e Karl Marx para a compreensão desse fenômeno na contemporaneidade. Revista Aurora.2018;11(1): 119-138. doi: https://doi.org/10.36311/1982-8004.2018.v11n1.07.p119.

Araújo RS. Análise econométrico-espacial do suicídio no Brasil. 2020. 62f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, jan. 2020.

Moreira LCO, Bastos PRHO. Prevalência e fatores associados à ideação suicida na adolescência: revisão de literatura. Psicologia Escolar e Educacional. 2015;19(3):445-453. doi: http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0193857.

Rosa L, Demarco TT. Suicídio na terceira idade e as estratégias de intervenção. Anuário Pesquisa e Extensão Unoesc Videira. 2019;4: e23385.

Oliveira ATR. Envelhecimento populacional e políticas públicas: desafios para o Brasil no século XXI. Espaço e Economia. Revista Brasileira de Geografia Econômica. 2016;8(8).1-20. doi: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.2140.

Azevedo UM. Perfil da mortalidade por suicídio em idosos no Brasil: uma análise das diferenças entre os gêneros. 2018. 65f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, dez. 2018.

Gomes AV, Cardoso PKB, Rocha FCV, Carvalho CMS, Sales MCV. Perfil sociodemográfico de idosos vítimas de suicídio em um estado do Nordeste do Brasil. Revista Baiana de Enfermagem. 2018;32(1): e26078. doi: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v32.26078.

Carvalho AF. Perfil epidemiológico dos casos de intoxicação por medicamentos registrados Centro de Informação e Assistência Toxicológica do Distrito Federal entre 2011 e 2016. 64 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Farmácia) Universidade de Brasília, Brasília, dez. 2017.

Ferraiuoli C, Ferreira S. O outro lado da "melhor idade": Depressão e Suicídio em Idosos. Humanas & Sociais Aplicadas. 2017;18(7):43-53. doi: https://doi.org/10.25242/88767182017821.

Carvalho IL do N, Lôbo APA, Aguiar CA de A, Campos AR. A intoxicação por psicofármacos com motivação suicida: uma caracterização em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2017:20(1):129-137. doi: https://doi.org/10.1590/1981-22562017020.160064.

Macedo FL, Bernardo BT. Suicídio no idoso: aspectos psicossociais que contribuem para o aumento do suicídio em pessoas idosas. Revista InterCiência. 2019;1(3):60-69.

Barros MSR. Política nacional do idoso: uma análise sobre os mecanismos de controle democrático. 2019. 213 f., il. Dissertação (Mestrado em Política Social) — Universidade de Brasília, Brasília. 2019.

Placideli N, et al. Avaliação da atenção integral ao idoso em serviços de atenção primária. Revista de Saúde Pública. 2020;54(6). doi: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054001370.

Souza JC, et al. Ações de promoção à saúde sobre suicídio no município de Campo Grande/MS: relato de experiência. Pesquisa, sociedade e desenvolvimento. 2020;9(7):1-16. doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i7.3650.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei número 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Disponível em: [http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8842.htm]. Acesso em: 11 jun 2020.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei de número 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Disponível em: [http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.741.htm]. Acesso em: 11 de jun 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. A experiência brasileira em sistemas de informação em saúde. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.148p.

Morais RM, Costa AL. Uma avaliação do Sistema de Informações sobre Mortalidade. Saúde Debate. 2017;41.n.(esp):101-17.

Breda LC, Guerra P. Suicídio entre crianças e adolescentes, suas principais causas e métodos: Síntese de evidências. UNILUS Ensino e Pesquisa. 2019;16(42):39-49.

Rosa NM, Campos APS, Guedes MRJ, Sales CCF, Mathias TAF, Oliveira MLF. Intoxicações associadas às tentativas de suicídio e suicídio em crianças e adolescentes. Revista de Enfermagem da UFPE. 2015;9(2):661-668. doi: 10.5205/r euol.7028-60723-1-SM.0812201423.

D’Eça Júnior A, Rodrigues LS, Filho EPM, Costa LLN, Rêgo AS, Costa LC, Batista RFL. Mortalidade por suicídio na população brasileira, 1996-2015: qual é a tendência predominante? Caderno Saúde Coletiva.2019;27(1):20-24. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1414-462x201900010211.

Mata KCR, Daltro MR, Ponde MP. Perfil epidemiológico de mortalidade por suicídio no Brasil entre 2006 e 2015. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde. 2020;9(1):74-87. doi: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v9i1.2842.

Cicogna JIR, Hillesheim D, Hallal ALLC. Mortalidade por suicídio de adolescentes no Brasil: tendência temporal de crescimento entre 2000 e 2015. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2019;68(1):1-7. doi: https://doi.org/10.1590/0047-2085000000218.

Filho MC, Zerbini T. Epidemiologia do suicídio no Brasil entre os anos de 2000 e 2010. Saúde, Ética & Justiça. 2016;21(2): 45-51. doi: https://doi.org/10.11606/issn.2317-2770.v21i2p45-51.

Conceição HN, et al. Vulnerabilidade a ideações e práticas suicida em idosos e o impacto familiar e social. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 2018;(Sup.12): S1252-S1258. doi:10.25248/REAS220_2018.

Santos CB. Mortalidade por suicídio em idosos no estado do Rio Grande do Sul e no município de Porto Alegre, 2001-2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Saúde Coletiva) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, jan. 2018.

Nunes ASR. Avaliação do risco de suicídio em idosos e fatores associados. 2018. 81 fl. (Trabalho de Conclusão de Curso – Monografia), Curso de Bacharelado em Enfermagem, Centro de Educação e Saúde, Universidade Federal de Campina Grande, Cuité – Paraíba – Brasil, jul. 2018.

Cristovão KKA, Souza RA. Fatores de risco relacionados ao suicídio em idosos: revisão bibliográfica de artigos nacionais publicados de 2009 até 2018. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Enfermagem) Centro Universitário São Lucas, Porto Velho, 2018.

Minayo MCS, Figueiredo AEB, Mangas RMN. O comportamento suicida de idosos institucionalizados: histórias de vida. Physis: Revista de Saúde Coletiva. 2017;27(4):981-1002. doi: https://doi.org/10.1590/s0103-73312017000400007.

Pinto LW, Assis SG, Pires TO. Mortalidade por suicídio em pessoas com 60 anos ou mais nos municípios brasileiros no período de 1996 a 2007. Ciência & Saúde Coletiva. 2012;17(8):1963-1972. doi: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000800007.

Gondim APS, Nogueira RR, Lima JGB, Lima RAC, et al. Tentativas de suicídio por exposição a agentes tóxicos registradas em um Centro de Informação e Assistência Toxicológica em Fortaleza, Ceará, 2013. Epidemiologia e Serviço de Saúde. 2017;26(1):109-119. doi: https://doi.org/10.5123/s1679-49742017000100012.

Barros MVM. Análise da mortalidade por suicídio no Brasil 1996 a 2015. 2018. 26f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva) - Instituto Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, mai. 2018.

Macente LB, Zandonade E. Avaliação da completude do sistema de informação sobre mortalidade por suicídio na região Sudeste, Brasil, no período de 1996 a 2007. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2010; 59(3):173-181. doi: https://doi.org/10.1590/S0047-20852010000300002.

Lovisi GM, Santos AS, Legay L, Abelha L, Valencia E. Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Rev Bras Psiquiatr. 2009;31(Supl II):S86-93. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462009000600007.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017-2018)

JCR 1.021 (2018-2019)

JCR 1.254 (2019-2020)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 15,0

Índice i10: 29,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X