Planejamento reprodutivo e os fatores limitantes para participação masculina: uma revisão integrativa

Fabíola Barbosa Cardoso, Jones Sidnei Barbosa de Oliveira, Ivana Santos Pinto, Rodrigo Duarte dos Santos, Cleuma Sueli Santos Suto

Resumo


Objetivo: identificar o que tem sido retratado na literatura acerca da participação dos homens no planejamento reprodutivo e os fatores intervenientes a inserção masculina nos serviços de saúde. Método: trata-se de uma revisão integrativa, realizada no período de setembro de 2018, com artigos científicos completos nas bases de dados SciELO, BVS e BDENF, publicados em português (nacionais e internacionais), no período de dez anos (2008-2018). Foram analisados 10 artigos, no qual, 100% destes apresentam uma abordagem qualitativa, com maior parcela publicada no ano de 2014 (50%) e realizada no Brasil (90%). Resultados: evidenciou-se que as questões de gênero e masculinidade estiveram mais associadas as principais dificuldades para a participação e inserção dos homens no PR, como a persistência de uma desigualdade de papeis sociais entre o homem e a mulher, historicamente construída por uma cultura patriarcal, no qual, a mulher é tida como a única responsável pelos cuidados de reprodução e dos filhos. Conclusão: para uma maior adesão masculina ao PR, é necessário que os serviços se tornem mais apropriados para homens, como já acontece em algumas regiões brasileiras com a flexibilização de horários das unidades, além de capacitar os profissionais para trazer os homens para junto das equipes de saúde, incentivando a desmistificação dos preconceitos, com a finalidade de contribuir para uma participação mais efetiva.


Palavras-chave


Planejamento Reprodutivo; Saúde do Homem; Relações de Gênero.

Referências


Compagnoni SM. A (in)constitucionalidade da exigência do consentimento do cônjuge na esterilização voluntária. Monografia apresentada no Curso de Direito, do Centro Universitário UNIVATES, 2018. Disponível em: https://www.univates.br/bdu/bitstream/10737/1743/1/2017SolangeMunsioCompagnoni.pdf

BRASIL. Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União; 1996.

Brasil. População, espaço e sustentabilidade: contribuições para o desenvolvimento do Brasil /Miguel Bruno (organizador). Ministério do planejamento, orçamento e gestão. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Ciências Estatísticas, 2015.

Sanches MA, Silva DPS. Planejamento familiar: do que estamos falando? Rev. bioét. (Impr.). 2016;24(1):73-82.

Nogueira IL, Carvalho SM, Tocantins FR, Freire MAM. Participação do homem no planejamento reprodutivo: revisão Integrativa. J res fundam care online 2018; 10(1): 242-7. Doi: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i1.242-247

Bezerra INM, Monteiro VCM, do Nascimento JL, Vieira NRS, da Silva RPC, de Alcântara BDC, et al. Ações de educação em saúde e o planejamento familiar: um relato de experiência. Rev Ciênc Plural. 2018; 4(3):82-90.

Brasil. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica Caderno de Atenção Básica n 26. Saúde Sexual e Reprodutiva. Brasília: Ministério Da Saúde, 2013.

Zunta RSB, Barreto ES. Planejamento familiar: critérios para escolha do método contraceptivo. J Health Sci Inst. 2014; 32(2): 173-8.

Oliveira CKS, et al. Olhando a saúde do homem. Revista Interdisciplinar em Saúde, Cajazeiras, 6 (1): 85-98. 2019.

Oliveira MM et al. A saúde do homem em questão: busca por atendimento na atenção básica de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 1, p. 273-278, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232014201.21732013

Brasil. Saúde do Homem: promoção e prevenção à saúde integral do homem. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

Sousa LMM, et al. Revisões da literatura científica: tipos, métodos e aplicações em enfermagem. RPER. 2018; 1(1):46-55. Doi: https://www.aper.pt/ficheiros/revista/rperv1n1.pdf

Fernandes CS, Angelo M. Cuidadores familiares: o que eles necessitam? Uma revisão integrativa. Rev esc enferm USP. 2016; 50(4): 675-82.

Sidoni OJG, Haddad EA, Mena-Chalco JP. A ciência nas regiões brasileiras: evolução da produção e das redes de colaboração científica. TransInformação. 2016; 28(1):15-31. Doi: https://doi.org/10.1590/2318-08892016002800002.

Nogueira L, Bezerra L. Relações patriarcais de gênero e formação econômico social brasileira: pressupostos e fundamentos. Rev Libertas. 2018; 18(2): 151-69.

Coelho ACS, Pereira AL, Nepomucemo CC. Saberes e práticas de homens perante o planejamento reprodutivo. R. Enferm. Cent. O. Min. 2016; 6(3): 2398-409.

Morais ACB, Cruz RSBLC, Pinto SL, Amorim LTCG, Sampaio KJAJ. Participação masculina no planejamento familiar: O que pensam as mulheres? Cogitare Enferm. 2014; 19(4): 659-66. Doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v19i4.37086

Morais ACB, Ferreira AG, Almeida KL, Quirino GS. Participação masculina no planejamento familiar e seus fatores Intervenientes. Rev Enferm UFSM 2014 Jul/Set;4(3):498-508.

Pedro VM, Mariano EC, Roelens K, Osman NMRB. Percepções e experiências dos homens sobre o planejamento familiar no sul de Moçambique. Physis. 2016; 26(4): 1313-33. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312016000400013

Casarin ST, Siqueira HCH. Planejamento familiar e a saúde do homem na visão das enfermeiras. Esc Anna Nery 2014;18(4):662-8.

Mozzaquatro CO, Arpini DM. Planejamento Familiar e Papéis Parentais: o Tradicional, a Mudança e os Novos Desafios. Psicol Ciênc Prof. 2017; 37(4): 923-38.

Bezerra MS, Rodrigues DP. Representações sociais de homens sobre o planejamento familiar. Rev. Rene. 2010; 11(4): 127-34.

Silva GS, Landerdahl MC, Langendorf TF, Padoin SMM, Vieira LB, Anversa ETR. Participação do companheiro no planejamento familiar sob a ótica feminina: estudo descritivo. Online braz j nurs. 2013; 12(4): 882-91.

Marques JR JS, Gomes R, Nascimento EF. Masculinidade hegemônica, vulnerabilidade e prevenção ao HIV/AIDS. Ciênc Saúde Colet. 2012; 17(2): 511-20.

Conell RW, Messerschmidt JW. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Rev. Estud. Fem. 2013; 21(1): 424.

Cícero ACVFPP, Mandadori F, Marcon SS. Da decisão aos resultados: narrativa de homens adultos acerca da vasectomia. J res fundam care online. 2014; 6(4):1372-83.

Aguiar CG, Câmara LMF, Rocha JFD, Carneiro JA, Costa FM. Interferências socioculturais e institucionais no acesso do homem aos serviços de atenção primária à saúde. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2014; 12(1): 381-90. Doi: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v12i1.1383


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017-2018)

JCR 1.021 (2018-2019)

JCR 1.254 (2019-2020)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 9,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X