O que facilita e dificulta a Sistematização da Assistência de Enfermagem na percepção dos enfermeiros das Unidades de Saúde da Família?

Edyra Damasceno da Costa e Silva, Denise Philomene Joseph van Aanholt, Lucia Yasuko Izumi Nichiata

Resumo


Objetivo: analisar os elementos facilitadores e dificultadores na realização da Sistematização da Assistência de Enfermagem e Processo de enfermagem a partir da percepção dos enfermeiros das Unidades de Estratégia Saúde da Família. Método: Estudo descritivo-exploratório, de corte transversal e abordagem quantitativa, por meio da aplicação de um questionário auto aplicado. Resultados: perfil de profissionais predominantemente do sexo feminino com idade prevalente entre 30-40 anos e um equilíbrio entre tempo de atuação profissional (média 10,7 anos) entre 2-10 anos e maior do que 10 anos, além de uma média de atuação na APS de 8,8 anos, demonstrando uma equipe com boa experiência, o que facilitou a interpretação dos resultados. Elementos facilitadores: reconhecimento da importância da realização do Processo de enfermagem sobre o desenvolvimento do raciocínio clínico do enfermeiro, o benefício para o paciente e para a equipe de saúde. Elementos dificultadores: falta de linguagem universal padronizada; despreparo do profissional para realização da Sistematização da Assistência de Enfermagem na APS; sobrecarga de atendimentos ao longo do dia; falta de colaboração da equipe durante a consulta, com muitas interrupções; baixa oferta de capacitação sobre Sistematização da Assistência de Enfermagem/Processo de enfermagem pela instituição; baixa valorização da consulta de enfermagem tanto pela equipe, quanto pela população em geral; falta de impressos com diagnósticos e prescrição de enfermagem. Conclusão: Para facilitar a implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem/Processo de enfermagem, os enfermeiros referiram que: há a necessidade do conhecimento de Sistematização da Assistência de Enfermagem/Processo de enfermagem pelo enfermeiro, a necessidade de capacitação da equipe pela unidade de saúde, a adoção de linguagem padronizada e a adoção de protocolos.


Palavras-chave


Cuidados de enfermagem; Organização e Administração; Atenção Primária a Saúde; Processos de enfermagem; Legislação de enfermagem.

Referências


Santos WN. Systematization of nursing care: the historical context, the process and obstacles to deployment. J. Manag. Prim Health Care, 2014; v.5 n.2 p.153-8.

Turkiewicz, Maria. História da Enfermagem. ETECLA . Paraná, ETECLA, 1995.

Hermida PMV & Araújo IEM. Sistematização da Assistência de Enfermagem: subsídios para implantação. Rev Bras Enferm. 2006 set-out; 59(5): 675-9

Oliveira APC, Coelho MEAA, de Almeida VCF, Lisboa KWSC, Macêdo ALS. Sistematização da assistência de enfermagem: implementação em uma unidade de terapia intensiva. Fortaleza: Revista Rene. 2012; v. 13( 3): 601-612

Foschiera, F.;, Vieira, C. S. O Diagnóstico de enfermagem no contexto das ações de enfermagem: percepção dos enfermeiros docentes e assistenciais. Revista Eletrônica de Enfermagem., Goiânia. 2004; , v. 6(, n. 2):, p. 189-198,

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN-358/2009. Dispõe sobre a sistematização da assistência de enfermagem e a implementação do processo de enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Brasília, DF: COFEN, 2009. Disponível em http://cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html

Neves RS, Shimizu HE. Análise da implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem em uma unidade de reabilitação. Rev. Bras. Enferm. [online], 2010; vol.63(2):222-229. ISSN 0034-7167. https://doi.org/10.1590/S0034-71672010000200009.

Rocha SMM, Almeida MCP. O Processo de Trabalho da Enfermagem em Saúde Coletiva e Interdisciplinaridade. Rev. latinoam. enferm. [internet]. 2000; 8(6):96-101. http://www.scielo.br/pdf/rlae/v8n6/12354.pdf

Costa AC, da Silva JV. Nurses’ social representations of nursing care systematization. Rev Enf Ref [Internet]. 2018 Mar; serIV(16): 139-146. https://doi.org/10.12707/RIV17069

Caballero SPOS. Sistematização da assistência de enfermagem na Atenção Primária em Saúde: Diagnóstico situacional na perspectiva de profissionais de enfermagem. São Paulo. Tese [mestrado]- Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo:2020

Reis GS, Reppetto MA, Santos LSC, Devezas AMLO. Sistematização da assistência de enfermagem: vantagens e dificuldades na implantação. Arq. méd. hosp. Fac. Ciênc. Méd. Santa Casa São Paulo. [Internet]. 2016 ;61:128–32.

Alencar IGM, Nunes VS, Alves AS, Lima SLR, Melo GKM, Santos MAF. Implementação e implantação da sistematização da assistência de enfermagem. Rev. enferm. UFPE on line. [Internet]. 2018 [acesso em 2020 dez 01];12(4):1174–8.

Sousa BVN, Lima CFM, Félix NDC, Souza FO. Benefícios e limitações da sistematização da assistência de enfermagem na gestão em saúde. J. nurs. health. 2020;10(2):e20102001

Mola R, Dias ML, Costa JF, Fernandes FECV, Lira GG. Conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre a sistematização da assistência de enfermagem. J. res. fundam. care. Online. 2019 jul/set; v. 11(4): 887-893

Cubas MR, Nichiata LYI. Experiências na aplicação de sae na aps na família. In: Fracolli AL, Padoveze MC, Soares CB. Tecnologias de sistematização da assistência de enfermagem a famílias na atenção primária à saúde. São Paulo: EE USP, 2020. Cap. 10, p.157-168.

Albuquerque LM, Cubas MR. Cipescando em Curitiba: Construção e Implementação da Nomenclatura de Diagnósticos e Intervenções de Enfermagem na Rede Básica de Saúde. Curitiba-PR, 2015.

Sanson G, Vellone E, Kangasniemi M, Alvaro R, D'Agostino F. Impact of nursing diagnoses on patient and organisational outcomes: a systematic literature review. J Clin Nurs. 2017 Dec;26(23-24): 3764-3783. doi: 10.1111/jocn.13717. Epub 2017 Feb 23

Carvalho CMG, Moro CMC, Cubas MR, Malucelli A. Sistemas de Informação em Saúde que integram terminologias de enfermagem: uma revisão de literatura. J. Health Inform. 2012 Abril-Junho; 4(2): 50-4

Barros ALBL, Lopes JL, Silva RCG. Classificações de linguagem em enfermagem. In: Coren-SP. Processo de enfermagem: guia para a prática. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. São Paulo-SP: Coren-SP; 2015. cap. 4, p. 63-83

Salvador PTCO, Rodrigues CCFM, Bezerril MS, Ferreira LL, Chiavone FBT, Virgilio LA et al. Percepções de profissionais de enfermagem acerca da integração do técnico de enfermagem na sistematização da assistência. Esc Anna Nery. 2017; 21(2):e20170035

Krauzer IM, Adamy EK, Ascari RA, Ferraz L, Trindade LL. Neiss M. Sistematização da assistência de enfermagem na Atenção básica: o que dizem os enfermeiros? Ciencia y enfermeria. 2015; XXI (2): 31-38

Assunção AA, Pimenta AM. Satisfação no trabalho do pessoal de enfermagem na rede pública de saúde em uma capital brasileira. Ciência & Saúde Coletiva. 2020; 25(1): 169-180.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017-2018)

JCR 1.021 (2018-2019)

JCR 1.254 (2019-2020)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 15,0

Índice i10: 29,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X