Adesão ao uso dos anti-hipertensivos avaliada pela escala de Morisky-Green

Beatriz Lisbôa de Carvalho, Catia Suely Palmeira, Tássia Teles Santana de Macêdo

Resumo


Objetivo: Avaliar a adesão ao tratamento medicamentoso da hipertensão arterial sistêmica por meio da escala de Morisky-Green. Método: estudo descritivo com abordagem quantitativa envolvendo 103 pessoas com diagnóstico de hipertensão arterial acompanhados em um ambulatório de saúde. Os instrumentos de coleta de dados utilizados foram entrevistas semiestruturadas e questionário de Morisky e Green. A análise dos dados se deu pela estatística descritiva. Resultados: A amostra foi composta predominantemente de mulheres (85,4%), cor/raça preta (46,6%), faixa etária de 50-59 anos (68,9%), escolaridade com ensino médio incompleto e completo (45,6%), aposentados (35,9%), com renda de 1-2 salários mínimos (44,7%). Maior percentual tinha acesso à medicação de forma gratuita pelo Sistema único de Saúde (70,9%). Os resultados encontrados, por meio do teste do Teste de Morisky e Green, evidenciam que a maioria respondeu afirmativamente para o uso adequado da medicação. Entretanto somente 38,8% dos entrevistados foram classificados com alta adesão. Conclusão: Mesmo que as respostas para as oito questões tenham sido positiva para o uso do anti-hipertensivo conforme prescrito, a taxa de adesão ainda é insatisfatória.


Palavras-chave


Hipertensão arterial; Adesão à medicação; Anti-hipertensivos; Tratamento farmacológico.

Referências


World Health Organization (WHO). Hypertension. 2020. Disponível em: https://www.who.int/health-topics/hypertension/#tab=tab_1.

Barroso WKS, Rodrigues CIS, Bortolotto LA, Mota-Gomes MA, Brandão AA, Feitosa ADM, et al. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial – 2020. Arq. Bras. Cardiol. 2021 Mar; 116(3): 516-658. Doi: https://doi.org/10.36660/abc.20201238.

Opari S, Acelajado MC, Bakris GL, Berlowitz DR, Cífková R, Dominiczak AF, et al. Hypertension. Nat Rev Dis Primers. 2018; 4 (18014). doi: https://doi.org/10.1038/nrdp.2018.14

Malta DC, Bernal RTI, Andrade SSCA, Silva MMA, Velasquez-Melendez G. Prevalência e fatores associados à hipertensão autorreferida em adultos brasileiros. Rev. Saúde Pública 2017; 51 (Suplemento 1): 11s. doi: https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051000006.

Lobo LAC, Canuto R, Dias-da-Costa JS, Pattussi MP. Tendência temporal da prevalência de hipertensão arterial sistêmica no Brasil. Cad. Saúde Pública. 2017; 33(6): e00035316. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311x00035316.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 1-162. : il. (Cadernos de Atenção Básica, n. 35).

Freitas JGA, Nielson SEO, Porto CC. Adesão ao tratamento farmacológico em idosos hipertensos: uma revisão integrativa da literatura. Rev Soc Bras Clin Med. 2015; 1(13): 75-84.

World Health Organization (WHO). Adherence to long-term therapies: evidence for action. Geneva; 2003.

Hameed Mohammed Awais, Dasgupta Indranil. Medication adherence and treatment-resistant hypertension: a review. Drugs In Context, Inglaterra, 2019; 8: 1-11. Doi: http://dx.doi.org/10.7573/dic.212560

Oliveira-Filho AD, Barreto-Filho JA, Neves SJF, Lyra JDP. Relação entre a Escala de Adesão Terapêutica de oito itens de Morisky (MMAS-8) e o controle da pressão arterial. Arq. Bras. Cardiol. 2012; 99(1): 649-58.Doi: https://doi.org/10.1590/S0066-782X2012005000053

Morisky DE, Green LW, Levine DM. Concurrent and predictive validity of a self-reported measure of medication adherence. Med Care. 1986 Jan; 24(1): 67-74. doi: https://doi.org/10.1097/00005650-198601000-00007

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2019: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2019. Brasília: Ministério da Saúde, 2020. 1-137.

Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho MDB, Marcon SS. Hipertensão arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2014; 22(4): 547-53. Doi: https://doi.org/10.1590/0104-1169.3345.2450

Veloso GGV, Sena KCL Lima FAS, Campos ERTa, Rodrigues HG, Oliveira FM. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica em taxistas de Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Revista Intercâmbio, Montes Claros, 2018; 1:113-126.

Gewehr DM, Bandeira VAC, Gelatti GT, Colet CF, Oliveira KR. Adesão ao tratamento farmacológico da hipertensão arterial na Atenção Primária à Saúde. Saúde debate. 2018; 42(116): 179-190. https://doi.org/10.1590/0103-1104201811614.

Drummond ED, Simões TC, Andrade FB. Avaliação da não adesão à farmacoterapia de doenças crônicas e desigualdades socioeconômicas no Brasil. Rev. bras. epidemiol. 2020; 23: e200080. Doi: https://doi.org/10.1590/1980-549720200080

Mengue SS, Bertoldi AD, Ramos LR, Farias MR, Oliveira MA, Tavares NUL et al . Acesso e uso de medicamentos para hipertensão arterial no Brasil. Rev. Saúde Pública. 2016; 50(Suppl 2): 8s. Doi: https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006154.

Oliveira MA, Luiza VL, Tavares NUL, Mengue SS, Arrais PSD, Farias MR et al . Acesso a medicamentos para doenças crônicas no Brasil: uma abordagem multidimensional. Rev. Saúde Pública. 2016; 50(Suppl 2): 6s. Doi: https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006161.

Heinisch RH, Stange LJ. Religiosidade/espiritualidade e adesão ao tratamento em pacientes com hipertensão arterial sistêmica. Bol Curso Med, Santa Catarina. 2018 Fev; 2(4): 2-8. https://doi.org/10.32963/bcmufsc.v4i2.2898.

Santos LMC, Almeida LGR, Faro A. Otimismo, autoeficácia e lócus de controle na adesão ao tratamento de pessoas hipertensas. Rev. Psicol. Saúde. 2019; 11(3): 49-62. http://dx.doi.org/10.20435/pssa.v11i3.691

Faria MHCP, Pereira FH, Pinto JM, Silva LB, Araújo LU, Miranda LR, et al.. Análise da adesão terapêutica ao tratamento de doenças crônicas em um centro de saúde em belo horizonte – Minas Gerais. Brazilian Journal Of Surgery And Clinical Research - Bjscr, Paraná. 2020; 29(2): 50-54.

Vancini-Campanharo CR, Oliveira GN, Andrade TFL, Okuno MFP, Lopes MCBT, Batista RA. Hipertensão Arterial Sistêmica no Serviço de Emergência: adesão medicamentosa e conhecimento da doença. Rev. Latino-Am. Enfermagem.2015; 23(6):1149-56. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0513.2660


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017-2018)

JCR 1.021 (2018-2019)

JCR 1.254 (2019-2020)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 15,0

Índice i10: 29,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X