Perfil epidemiológico e de morbimortalidade da unidade de terapia intensiva de um hospital público

Isabella Cristina Severina, Vanderson Rodrigues Moreira, Luciano Ramos de Lima, Marina Morato Stival

Resumo


Objetivo: caracterizar o perfil epidemiológico e de morbimortalidade da UTI de um hospital regional do Distrito Federal Método: Trata-se de uma pesquisa transversal, quantitativa, retrospectiva e observacional. A amostra foi constituída por 182 pacientes, a coleta de dados foi realizada no ano 2016 e usou um instrumento semiestruturado próprio da pesquisa para avaliação de dados sociodemográficos, de admissão e de desfecho na unidade. Resultados: Prevaleceram os pacientes do sexo masculino, idosos, idade média de 56,42 anos, procedentes do próprio hospital analisado, com principal diagnóstico de internação e de óbito a sepse e/ou choque séptico. A taxa de mortalidade foi de 33%, sendo associada (p≤0,05) ao uso de drogas vasoativas na admissão, a um menor tempo de internação, e escores de APACHE acima de 20 pontos, enquanto a alta foi associada a um menor tempo de ventilação mecânica e a não necessidade de hemodiálise. Conclusão: homens, com sepse em uso de drogas vasoativas e APACHE ≥20 pontos estão relacionadas a mortalidade.


Palavras-chave


Unidades de Terapia Intensiva; Estudos epidemiológicos; Mortalidade; Enfermagem.

Referências


Associação de Medicina Intensiva Brasileira/AMIB. Perfil das UTIs 2021. Disponível em: http://www.utisbrasileiras.com.br/

Guia CM, Biondi RS, Sotero S, Lima AA, Almeida KJQ, Amorin FF. Perfil epidemiológico e preditores de mortalidade de uma unidade de terapia intensiva geral de um hospital público do Distrito Federal. Com. Ciências Saúde. 2015;26(1/2):9-19. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/ccs_artigos/2015_perfil_epidemiologico.pdf

Guilhermino MC, Inder KJ, Sundin D. Education on invasive mechanical ventilation involving intensive care nurses: a systematic review. Nurs Crit Care. 2018 Sep;23(5):245-255. doi: http://dx.doi.org/10.1111/nicc.12346

Soares AN, Salvador Junior G, Câmara JDS, Paganini ETS, Faria G. Atuação da enfermagem frente ao paciente com sepse nas unidades de terapia intensiva: revisão de literatura. Revista Artigos. Com, 2021(29); e7787. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/artigos/article/view/7787

Vieira KM, Gomes GG, da Costa KCC, Costa GEO, Souza HHDF, Creoncio SCE, et al. Produção científica brasileira sobre Sepse: o estado da arte na perspectiva da enfermagem. Brazilian Journal of Health Review, 2021;4(2):9488-9506. doi: https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-442

Ferrão AARCN, Pereira JM, Martelletti LBS de J, Martinello LR, dos Santos LCG, dos Santos CTB, Cruz KCT da. Perfil de mortalidade dos pacientes internados em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulto em um hospital universitário do Distrito Federal. REAS 2020;12(8):e3509. Disponível em: https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/3509

Dai Z, Liu S, Wu J, Li M, Liu J, Li K. Analysis of adult disease characteristics and mortality on MIMIC-III. PLoS ONE. 2020;15(4):e0232176. Disponível em: https://doi.org/10.1371/journal. pone.0232176

Lalani HS, Waweru-Siika W, Mwogi T, Kituyi P, Egger JR, Park LP, Kussin, P. S. Intensive care outcomes and mortality prediction at a national referral hospital in Western Kenya. Annals of the American Thoracic Society, 2018:15(11);1336-1343. doi: http://dx.doi.org/10.0.5.233/AnnalsATS.201801-051OC

Anthon CT, Granholm A, Perner A, Laake JH, Møller MH. No firm evidence that lack of blinding affects estimates of mortality in randomized clinical trials of intensive care interventions: a systematic review and meta-analysis. J Clin Epidemiol. 2018 Aug;100:71-81. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jclinepi.2018.04.016

Fermandes TM, Ribeiro RM, Comin MF, Dagostin VS, Ceretta LB, Tessmann M. Análise do perfil de pacientes que sobrevivem à sepse. Revista de Administração em Saúde. 2021:(21)82; e271. doi: http://dx.doi.org/10.23973/ras.82.279

Silva JM, Katayama HT, Lopes FMV, Toledo DO, Amendola CP, Oliveira FS. Indicação de cuidados pós-operatórios imediatos em unidade de terapia intensiva sob a perspectiva de anestesistas, cirurgiões e intensivistas: questionário transversal. Brazilian Journal of Anesthesiology, 2021:71(5);5-10. doi: https://doi.org/10.1016/j.bjane.2021.03.025/pdf/rba-71-3-265-trans1.pdf

Busanello J, Quevedo EG, Escobal APL, Pinto DM, Silveira NP, Mocellin LP. Perfil clínico, sociodemográfico e preditores de óbito em unidade de terapia intensiva. Rev. Enferm. UFSM. 2021:(11);1-19. doi: https://doi.org/10.5902/2179769263048

Rosso D, Westphal GA, Fabre L, Floriano ML, Mendes ML, Longo M, Tessari P. Avaliação do impacto do tempo de espera para admissão em Unidade de Terapia Intensiva no desfecho clínico do paciente crítico. Medicina 2021:54(1);e169399-e169399. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/169399

Jentzer JC, van Diepen S, Murphree DH, Ismail AS, Keegan MT, Morrow DA, Barsness GW, Anavekar NS. Admission diagnosis and mortality risk prediction in a contemporary cardiac intensive care unit population. Am Heart J. 2020;(224):57-64. doi: 0.1016/j.ahj.2020.02.018

Cardoso LGS, Chiavone PA. APACHE II medido na saída dos pacientes da Unidade de Terapia Intensiva na previsão da mortalidade. Rev Latino-Am. Enfermagem. 2013;21(3):9telas. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-11692013000300022

Hissa PNG, Hissa MRN, Araujo PSR. Análise comparativa entre dois escores na previsão de mortalidade em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Clin Med. 2013;11(1):21-26. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2013/v11n1/a3383.pdf

Rocha ST, Pizzol FD, Ritter C, Fraga CM, Tamiozo DC, Ricci VHP. Desempenho do escore SAPS II em uma unidade de terapia intensiva. Arq Catarin Med. 2012;41(4):26-31. Disponível em: http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/1139.pdf

Zanon F, Caovilla JJ, Michel RS, Cabeda EV, Ceretta DF, Luckemeyer GD, et al. Sepse na unidade de terapia intensiva: etiologias, fatores prognósticos e mortalidade. Rev Bras Terapia Intensiva. 2008;20(2):128-134. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbti/a/3PtZ3BsVPWTGprJndZFbKSt/?lang=pt&format=pdf

Araujo TG, Rieder MM, Kutchak FM, Franco Filho JW. Readmissões e óbitos após a alta da UTI – um desafio da terapia intensiva. Rev Bras Terapia Intensiva. 2013;25(1):32-38. doi: https://doi.org/10.1590/S0103-507X2013000100007

França C, Albuquerque P, Santos AC. Perfil epidemiológico da unidade de terapia intensiva de um Hospital Universitário. interscientia 2016:1(2);72-82. Disponível em: https://periodicos.unipe.br/index.php/interscientia/article/view/37

Sales Júnior JAL, David CM, Hatum R, Souza PCSP, Japiassú A, Pinheiro CTS, et al. Sepse Brasil: estudo epidemiológico da sepse em unidades de terapia intensiva brasileiras. Rev Bras Terap Intensiva. 2006;18(1):9-17. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbti/a/8j5m4qsnBh98dXXZN4QyR7k/?lang=pt

Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. Sepse: um problema de saúde pública. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 2015. Disponível em: https://ilas.org.br/assets/arquivos/upload/Livro-ILAS(Sepse-CFM-ILAS).pdf

Peres LAB, Duarte PAD, Venazzi A, Brito AA, Nascimento GH, Matsuo T. Preditores de lesão renal aguda e de mortalidade em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Clin Med. 2012;10(2):106-111. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2012/v10n2/a2788.pdf

Paris MC, Silva MM, Sangaleti CT, Pelazza BB, Santana LF, Lentsck MH. Epidemiologia, complicações e fatores associados à doença crítica crônica em pacientes hospitalizados por trauma em unidade de terapia intensiva. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, Umuarama, 2021:25(2);125-13. Doi: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v25i2.2021.8138

Barreto MFC, Dellaroza MSG, Kerbauy G, Grion CMC. Sepse em um hospital universitário: estudo prospectivo para análise de custo da hospitalização de pacientes. Rev Esc Enfermagem USP. 2016;50(2):302-308. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reeusp/a/3xxKPHzf6nycLwrsNR3fkck/?format=pdf&lang=pt


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017-2018)

JCR 1.021 (2018-2019)

JCR 1.254 (2019-2020)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 15,0

Índice i10: 29,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X