Assistência de Enfermagem à Idosas em Residências Terapêuticas

Bruna Timoteo Teixeira, Letycia Parreira de Oliveira, Pauliene Ramos da Silva Matias, Jéssica Rodrigues Pereira, Rosânia Lemes de Carvalho, Lucíola Silva Sandim

Resumo


Objetivo: buscar na literatura científica dados para especificar as dificuldades encontradas pela equipe de enfermagem e ressaltar a importância da assistência de Enfermagem. Método: trata-se de revisão integrativa da literatura científica, utilizando coo critérios de inclusão artigos publicados em português; textos completos e disponíveis nas bases de dados; e período estipulado de 1992 e 2021, priorizando a organização das ideias por ordem de importância e a sintetização destas que visou a fixação das ideias essenciais para a solução do problema da pesquisa. Resultados: obtiveram-se informações relevantes sobre a inovação na perspectiva da saúde mental das idosas, assim como a criação do processo de ressocialização deste paciente que começa a instigar a necessidade de novas análises, reflexões e práticas de saúde. Discutiu-se então sobre o envelhecimento populacional e suas influencias sobre a saúde mental dos idosos, a importância da reforma psiquiátrica em prol do fim dos manicômios e por fim a necessidade da constante melhora na assistência de enfermagem prestada a idosas em residências terapêuticas. Conclusão: é notória a escassez de materiais atualizados abordando o assunto proposto, sendo assim, é de extrema importância que sejam realizados estudos a respeito desta temática em prol de preparar melhor os profissionais e familiares para a institucionalização de idosas em residências terapêuticas.


Palavras-chave


Enfermagem; Saúde do Idoso; Assistência à Saúde Mental.

Referências


Menezes JNR. Monte CM, Silva IA, et al. A visão do idoso sobre o seu processo

de envelhecimento. Revista Contexto e Saúde, 2018,18(35):8-12. DOI: 10.21527/2176-7114.2018.35.8-12.

Miranda JL. O abandono inverso em relação aos idosos e a responsabilização civil da família. 2020. Monografia (Graduação em direito)- Universidade do Sul de Santa Catarina, Araranguá, p. 61.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 106 de 11 de fevereiro de 2000. Gabinete do ministério.

França VV, Alves MP, Silva ALMA, Guedes TG, Frazão IS, et al. Quem são os moradores de residências terapêuticas? Perfil de usuários portadores de transtornos mentais desinstitucionalizações. Revista Saúde em debate, 2017, v. 41, p. 872-884.

Manfredi P. Perfil de saúde de sujeitos residentes em instituições terapêuticas. 2019. Dissertação (Pós-graduação em envelhecimento humano)- Universidade de Passo Fundo.

Pimenta, CS, Souza KF, Silva LSR, Vimieiro JP, Jardim ALS, Leopoldino IPS,et al. A institucionalização do idoso e a insuficiência familiar: uma análise sobre o impacto para a qualidade de vida do idoso em uma instituição de longa permanência de belo horizonte, minas gerais. Anais do 13º Congresso Internacional da Rede Unida v. 4, Suplemento 1 (2018).: Saúde em Redes

Suplemento, Anais do 13ª Congresso Internacional da Rede UNIDA.

Mendes, KDS, Silveira, RCCP, Galvão, CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, 2008, v. 17, n. 4, p. 758-764.

Beyea, SC, Nicoll, LH. Writing an integrative review. AORN J. 1998 Apr; 67, p. 877-80.

Pereira, MAS. Diagnósticos de enfermagem de moradores de residências terapêuticas á luz da teoria das necessidades humanas básicas. 2016. Dissertação (Pós em enfermagem)- Universidade Federal de Pernambuco, 105p

Moreira, JC. Qualidade de vida de idosas residentes em instituições de longa permanência no município de Belo Horizonte. 2017. Dissertação (pós graduação em promoção da saúde e saúde e prevenção)-Faculdade de medicina da Universidade de Belo Horizonte.

Cordeiro, RC, Santos RC, Araújo GKN, Nascimento NM, Souto, RQ, Ceballos, AGC, et al. Perfil de saúde mental de idosos comunitários: um estudo transversal. Revista Brasileira de Enfermagem, 2018, v. 73, p. 1-8.

Cavalcanti, MTA. Tear das cinzas. Um estudo sobre as relações entre psicose e instituição psiquiátrica. 1992-335f. Dissertação (mestrado), Instituto de psiquiatria, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1992.

Cavalcanti, MTA. Trama de tear. Sobre o tratar em psiquiatria. 1997. 288f. Tese (doutorado). Instituto de psiquiatria, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1997.

Lobo MCCA. Serviços residenciais terapêuticos no estado do Rio de Janeiro: um diagnóstico inicial. 2004. 109f. Dissertação (Mestrado). Escola Nacional de Saúde Pública, Fiocruz, Rio de Janeiro. 2004.

Silva, ORF. Desinstitucionalização da assistência psiquiátrica: avaliação de resultados de uma experiencia de dispositivos residenciais comunitários. 2005. 159f. Tese (douorado). Escola Nacional de Saúde Pública, FIOCRUZ, Rio de Janeiro, 2005.

Fonseca AMS. Serviços residenciais terapêuticas: o poder de contratualidade e o processo de reabilitação psicossocial. 2006. 179f. Dissertação (Mestrado) Programa integrado de pós graduação em saúde coletiva, departamento de medicina social, centro de ciências e saúde, Universidade Federal de Pernambuco, 2006.

Aquino MMB. Lazer e reforma psiquiátrica: o clube de lazer e cidadania. Colônia, um estudo de caso. 2006, 121 p. Dissertação (Mestrado) Instituto de psiquiatria, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

Milagres ALD. Porta de saída do asilo cotidiano, narrativa e subjetividade nas residências terapêuticas do IMAS Juliano Moreira. 2002. 177f Dissertação (Mestrado) Programa de pós graduação em ciências sociais. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2002.

Acosta-Orjuela GM. O Uso da Televisão Como Fonte de Informação Sobre a Velhice: Fatos e Implicações. In: NERI, A.L.; DEBERT, G.G. (Org.). Velhice e Sociedade. Campinas: Papirus, 1999. p. 179-222.

Albuquerque P. Apresentação. Cadernos do IPUB, 2006, v. 12, p. 9-14.

Amarante O, Nunes MO. A reforma psiquiátrica do SUS e a luta por uma sociedade sem manicômios. Revista Saúde Coletiva, 2018, v. 23, p. 15-25.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Residências terapêuticas: o que são, para que servem / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

Almeida FA, Cézar AT. As residências terapêuticas e as politicas públicas de saúde mental. Revista IGT na Rede, 2016, v. 13, p. 105-114.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 3.090, de 23 de dezembro de 2011(*). Altera a Portaria nº 106/GM/MS, de 11 de fevereiro de 2000. Gabinete do ministério. Disponível em:< Ministério da Saúde (saude.gov.br). acesso em: 14 de maio de 2021.

Klein CY, Boeckel TPV, Martinez EM, Suraj C, Gandra S, Levin AS, et al. Global increase and geographic convergence in antibiotic consumption between 2000 and 2015. Proceeding of the national academy of sciences of the united states of amercican, 2018, v, 26, p. 1-19.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 175, de 7 de fevereiro de 2001. Gabinete do ministério. Disponível em:.

Silva TG, Santana RF, Souza PA. Intervenções de Enfermagem para idosos que envelheceram em instituições psiquiátricas: mapeamento cruzado. Rev. Eletr. Enf, 2016,v. 18, p. 1-15.

Santos RRP, Cardoso BP, Pereira MC. As dificuldades da assistência de enfermagem com o paciente idoso em cuidados paliativos- Revisão integrativa. REVISA, 2021, v.10, p. 240-249. Doi: https://doi.org/10.36239/revisa.v10.n2.p240a249


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017-2018)

JCR 1.021 (2018-2019)

JCR 1.254 (2019-2020)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 15,0

Índice i10: 29,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X