Medidas de prevenção e controle de infecção associadas ao uso de cateter venoso periférico e central

Karoline Carvalho de Oliveira Pinto, Patrícia Ribeiro de Souza, Talita Conceição de Oliveira

Resumo


Objetivo: Analisar os fatores de risco que causam infecções nos cateteres, bem como permear a ação do profissional de enfermagem e sua efetividade no controle preventivo. Método: Trata-se de pesquisa básica; descritiva e bibliográfica quanto aos procedimentos de coleta de dados. Resultados: Através das informações coletados dos mais de 40 artigos selecionados, se fez nítida a negligência de forma expressiva e acelerada nas punções em ambientes hospitalares e na assistência ofertada aos profissionais de enfermagem. Neste sentido com prevenção e promoção apropriada, seria possível promover de forma adequada à qualificação destes procedimentos, diminuindo os riscos de infecção no ambiente hospitalar. Conclusão: A utilização destes dispositivos, por vezes, torna-se imprescindível no tratamento por curtos ou longos período, entretanto os riscos da utilização destes equipamentos de forma imprudente ocasionam enfermidades persistentes e nocivas. Por isso a participação do enfermeiro se faz necessário como agente minimizador de riscos, tendo suma importância na manutenção da qualidade assistencial para o paciente, uma vez que esses profissionais precisam basear suas ações de cuidados em evidências científicas comprovadas.


Palavras-chave


Cateter Central; Cateter Periférico; Fatores de Risco; Microrganismos Infecciosos; Cuidados de Enfermagem.

Referências


Duarte ED, Pimenta AM, Silva BC, Paula CMD. Fatores associados à infecção pelo uso de cateter central de inserção de pacientes em uma unidade de Terapia Intensiva Neonatal -Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2011; 47: 547-554. São Paul 2011.

Costa APCM. Infecção Hospitalar: análise do conhecimento dos graduandos de Enfermagem quanto às medidas de precauções e isolamento, 89p. Monografia (Pós-graduação em Gestão em CIH) Faculdade Brasileira de Recursos Humanos – Instituto Hoyler, São Paulo, 2012.

SANTOS, A. A. M. dos; FRANÇA, E. Vigilância epidemiológica das infecções hospitalares. Infecções hospitalares: epidemiológica, prevenção e controle. Rio de Janeiro: p. 15-33. Guanabara Koogan, 2012.

BETIOLI, A. B. Bioética, a ética da vida: (onze temas) - São Paulo, 2013.

SANTOS, E. F.; OLIVEIRA, F. L. P. A avaliação da qualidade e o controle de infecção hospitalar. Brasília Médica, Brasília, v. 36, n. 1/2, p. 2628, Brasília, 2009.

SILVEIRA, R.C.C. P. O cuidado de enfermagem e o cateter de Hickman: a busca de evidências [tese]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2005.

ROSSI, J. A.; ALMEIDA, D. E. Conceitos e indicadores de infecção hospitalar. 9 ed., p. 79-81. São Paulo, 2010.

CAVALCANTE, N.J. F; FACTORE, L. A. P; FERNANDES, A. T; BARROS, E. R. Unidade de Terapia Intensiva. In: FERNANDES, ANTONIO TADEU. Infecção Hospitalar e suas Interfaces na Área de Saúde. vol. 1, cap. 36 p. 749 – 755. São Paulo – SP. Atheneu, 2009.

SILVA, N. B. Controle de Infecção Hospitalar em Terapia Intensiva de Adultos. MEDSI: 32 p. 609- 618. Rio de Janeiro, 2008.

DAMASCENO, K. S. Avaliação da Adesão às medidas de Prevenção de Infecção Relacionadas a Cateteres entre Profissionais de Saúde de hospitais de Maringá. V. 10 nº 01, jan./jun. Maringá, 2008.

NOVAES, H. M. Avaliações de programas, serviços e tecnologias de saúde, Revista de Saúde Pública – São Paulo, 2000.

TRINDADE, E; HOFMEISTER, M. G.; FORMAZIER, C.; CRUZ, C. F.; ALMEIDA, K.; CARVALHO, W. L. Hospitais Sentinelas - Notificações de Tecnovigilância Envolvendo Cateteres Venosos Centrais. NOTIVISA – 2007.

ANVISA. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde/Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ANVISA. Brasília, Brasil: Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2017.

SILVA, A. G. D.; OLIVEIRA, A. C. D. Prevenção da infecção da corrente sanguínea relacionada ao cateter venoso central: Uma revisão integrativa. Vigil. sanit. Debate: v. 4, n. 2, p. 117-125, 2016.

MARQUES NETTO, S.;ECHERB, I. C.;KUPLICHC, N. M.;KUCHENBECKERD, R.;KESSLERE, F. Infecção de cateter vascular central em pacientes adultos de um centro de terapia intensiva. Rev Gaúcha Enferm.: v. 30, n. 3, p. 429-36, 2009.

AMADEI, J. L.; DAMASCENO, K. S. Avaliação da Adesão às medidas de Prevenção de Infecção Relacionadas a Cateteres entre Profissionais de Saúde de hospitais de Maringá. Iniciação Cientifica CESUMAR: v. 10 nº 01, jan./jun. Maringá, 2008.

CORRÊA, K. D. L. G.; ALMEIDA, G. M. D. D.; JÚNIOR ALMEIDA, J. N. D.; ROSSI, F. Diferença de tempo de positividade: método útil no diagnóstico de infecção de corrente sanguínea relacionada com cateter? v. 48, n. 3, p. 195-202. Bras Patol Med Lab, 2012.

DALLÉ, J.; KUPLICHC, N. M.; SANTOS, R. P. D.; SILVEIRA, D. T. Infecção relacionada a cateter venoso central após a implementação de um conjunto de medidas preventivas (bundle) em centro de terapia intensiva. v. 32, n. 1, p. 10-17. Rev HCPA, 2012.

NOUÉR, S. A. Prevenção de Infecções Relacionadas com Cateteres Vasculares em Unidades de Terapia Intensiva; Curso sobre infecção no paciente grave. SBI - Sociedade Brasileira de Infectologia. São Paulo, 2008.

SILVA, A. P. S. S, COGO, A. L. P. Aprendizagem de punção venosa com o objetivo educacional digital no curso de graduação em Enfermagem: 28(2):187-92. Rev Gaúcha Enferm, 2007.

NEGRI, D. C.; AVELAR, A. F. M.; ANDREONI, S.; PEDREIRA M. L. G. Fatores predisponentes para insucesso da punção intravenosa periférica em crianças. Revista Latino-Americana de enfermagem: v.20, n.6. pag. 1-8, 2012.

MARTINS, K.A.; TIPPLE, A. F. V.; SOUZA, A.C. S.; BARRETO, R.; SIQUEIRA, K.M.; BARBOSA J. M. Adesão as medidas de prevenção e controle de infecção de aceso vascular periférico pelos profissionais da equipe de enfermagem. Cienc Cuid. Saúde: 7:485-92. São Paulo, 2008.

FERNANDES, A.T. Novas tecnologias para o controle das infecções relacionadas ao acesso vascular. Intravenous: 17:5-6, 2007.

24. BRACHINE, J. D. P.;PETERLINI, M. A. S. B.;PEDREIRA, M. D. L. G. Método bundle na redução de infecção de corrente sanguínea relacionada a cateteres: Revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm., v. 33, n. 4, p. 200-210, 2012.

PEREIRA, F. G. F.; CHAGAS, A. N. S. D.; FREITAS, M. M. C.; BARROS, L. M.; CAETANO, J. Á. Caracterização das infecções relacionadas à assistência à saúde em uma Unidade de Terapia Intensiva. Vigil. sanit. Debate: v. 4, n. 1, p. 70-77, 2016.

KOCSSIS, E. Biofilmes relacionados a cateteres. Intravenous: 15:10-11 05, São Paulo, 2008.

MENDONÇA, S. H. F.; LACERDA, R. A. Impacto dos conectores sem agulhas na infecção da corrente sanguínea: revisão sistemática. Acta Paul Enferm, v. 23, n. 4, p. 568-73, 2010.

SOUZA, L.B.G.; FIGUEIREDO, B.B. Prevalência de Infecções Nosocomiais Provocadas por Staphylococcus aureus Resistente à Meticilina (M.R.S.A.), no Hospital Universitário Regional de Maringá. Revista Brasileira de Análises Clínicas RBAC: vol.40 n.1 p.31-34. Maringá, 2008.

TRABULSI, L.R; ALTERTHUM, F. Microbiologia. Atheneu: 4 ed.; p.175-182. São Paulo, 2005.

MELO, G.B.; MELO, M.C.; CARVALHO, K.S.; GONTIJO FILHO, P.P. Gram negativos e infecções hospitalares em um Hospital Universitário Brasileiro. Revista Ciências Farmacêutica Básica Aplicada: vol.30 n.1, p.45-50. São Paulo, 2009.

ANVISA. Resistência microbiana: mecanismos e impactos clínicos. Brasília; 2007. Disponível em: www.anvisa.gov.br. Acesso em 30 out 2020.

FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. O ataque silencioso dos Fungos. Ed. 243, São PAULO, 2016. Disponível em https://revistapesquisa.fapesp.br/o-ataque-silencioso-dos-fungos/ Acesso em 01 nov 2020.

GUIMARÃES, A. C.;DONALISIO, M. R.;SANTIAGO, T. H. R.;FREIRE, J. B. Óbitos associados à infecção hospitalar, ocorridos em um hospital geral de Sumaré-SP, Brasil. Rev Bras Enferm: v. 64, n. 5, p. 864-9, 2011.

FERNANDES, A. T; FILHO, N. R. Infecção do Acesso Vascular. Infecção Hospitalar e suas Interfaces na Área de Saúde. Atheneu: vol. 1 cap. 22, p. 556 – 575. São Paulo, 2010.

ASSIS, D. B.; MADALOSSO, G.; FERREIRA, S. A.; YASSUDA, Y. Y. Análise dos dados do sistema de vigilância de infecção hospitalar do estado de São Paulo - ano 2009. BEPA, Bol. Epidemiol. Paul. v.7, n. 80, p. 10-30, 2010.

ARANHA, N. S. Prevenção de Infecções Relacionadas com Cateteres Vasculares em Unidades de Terapia Intensiva; Curso sobre infecção no paciente grave. Sociedade Brasileira de Infectologia. São Paulo,2008.

SILVA, N. B; RAVANELLO, M. L. Controle de Infecção Hospitalar em Terapia Intensiva de Adultos. Infecção Hospitalar e outras complicações não-infecciosas da Doença – Epidemiologia, Controle e Tratamento. MEDSI: 3ª ed, Cap. 32 p. 609- 618. Rio de Janeiro, 2011.

OLIVEIRA, A. C, PAULA, A. O. Infecções relacionadas ao cuidar em saúde no contexto da segurança do paciente: passado, presente e futuro. Rev Mineira Enferm [Internet]. 2013.

MESQUITA, A. P. C. Infecção Hospitalar: análise do conhecimento dos graduandos de Enfermagem quanto às medidas de precauções e isolamento. Pós-graduação em Gestão em CIH) - Faculdade Brasileira de Recursos Humanos – Instituto Hoyler, São Paulo, 2006.

Beccaria LM, Pereira RAM, Contrin LM, Lobo SMA, Trajano DHL. Eventos adversos na assistência de enfermagem em uma unidade de terapia intensiva. Rev. Bras. Terap. Intensiva, v. 21, n. 3, p. 276-282, 2009.

Armond GA. Técnica de lavação de mãos. Manual de infecção hospitalar, epidemiologia, prevenção e controle. MEDSI: 2, p.136- 324. Minas Gerais, 2009.

Bittar OJNV. Indicadores de qualidade e quantidade em saúde. Rev. Adm. Saúde, v. 12, n. 3, p. 21-28, 2009.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Fator de Impacto ISI- International Scientific Indexing

JCR 0.852 (2017-2018)

JCR 1.021 (2018-2019)

JCR 1.254 (2019-2020)

Qualis CAPES: B4

Índice H: 15,0

Índice i10: 29,0

ISSN Online: 2179-0981 / ISSN Impresso: 2316-848X